Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

João Távora


Domingo, 27.11.16

Tempos modernos

My Fair Lady deveu parte do seu sucesso à história duma rapariga da rua que com esforço aprende a ser como uma princesa. Se a peça fosse feita hoje, para alcançar o mesmo sucesso teria que contar a história de uma princesa revoltada que sem muito esforço se tornava numa rapariga da rua.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:37

Segunda-feira, 21.11.16

Perguntas simples

Irónico como a propósito de Donald Trump e Marine Le Pen o “jornalismo de referência” só agora descobriu o fenómeno do “populismo” que caracteriza pela “utilização de mensagens demagógicas, soluções irrealistas para problemas complexos emitidas através de imagens simplistas proclamadas em frases curtas de fácil compreensão principalmente através das redes sociais”. Afinal como é que os partidos do sistema vêm alcançando os seus resultados e desiludindo o eleitorado? Debatendo abertamente os desafios que pendem sobre a nossa sociedade e as reformas cada vez mais urgentes? Ou será que o adjectivo “populismo” só se aplica quando a oligarquia não gosta dos resultados?

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 16:23

Sexta-feira, 18.11.16

A Casa da Avenida

Avenida da Liberdade.jpg

A «casa da Avenida», como ficou conhecida na família, deixou em mim uma marca indelével, como que um pilar da minha personalidade. Como casa da Avenida entendo não só o primeiro andar direito do n.º 232 da Avenida da Liberdade mas todo um ambiente caloroso de afectos e brilho que lhe imprimiam os meus avós, tios e todo o pessoal que lá servia, que, a seu modo, fazia parte da família.

Com esta crónica, que serve de introdução a uma biografia ficcionada que estou a escrever sobre o tema, pretendo fazer uma homenagem aos meus avós maternos, João e Chunchinha, que, com a minha bisavó, foram os grandes obreiros dessa casa acolhedora e aberta ao mundo, onde se cultivava a antiga arte da boa conversa, elegante e inteligente, como refere Augusto Ataíde no seu livro de memórias Percurso Solitário (Bertrand, 2016) ou Leonor Xavier em Casas Contadas (Asa, 2009), sem descurar a edificação dum sólido e fecundo núcleo familiar de matriz cristã onde cresceram a minha mãe e os meus tios. Ainda hoje nas reuniões familiares com a minha mãe e os meus tios se testemunha esse legado tão nobre de amizade, humor e graça, qualidades que sem mascarar dificuldades que em todo o lado existem, são sementes de civilização e carácter.

Pensando bem, aquilo que mais me marcou na Casa da Avenida foi a liberdade que me era concedida, a mesma que, pressupondo sentido de responsabilidade, fez dos meus tios e da minha mãe pessoas inteiras. Pessoa de enorme carisma, a Avó Chunchinha tinha, de facto, uma forma de relacionamento que sempre me cativou, talvez porque nunca pressenti qualquer sinal da complacência com que habitualmente os adultos se relacionam com as crianças.

Para a forte idealização daquela casa que germinou em mim ao longo da vida, contribuiu não só a enorme saudade das estadias felizes que até aos 12 anos lá passei, sozinho ou com o meu irmão José — onde éramos queridos e obtínhamos mais atenção do que aquela que poderíamos ambicionar em casa dos pais, em que a concorrência era grande —, mas também a memória do espaço físico e do fervilhar de vida circundante, ao mesmo tempo cosmopolita e de bairro, que naquela época fruía naquela zona de Lisboa ocupada por uma mistura bem equilibrada de serviços, comércio e habitação.

A Casa da Avenida foi estreada em 1892 pela minha bisavó Valentina Leitão aos quatro anos, quando para lá se mudou com os seus pais e irmãos. O elegante prédio de cinco andares com direito e esquerdo, situado no quarteirão entre a Barata Salgueiro e a Alexandre Herculano, onde então terminava a Lisboa cidade, tinha acabado de ser construído, e dele reza a lenda de ter sido o primeiro a ter instalação eléctrica de raiz. Os apartamentos eram grandes e tinham um pé direito alto como há muito não se usa.

A casa dos meus avós era atravessada por um longo corredor que ligava a parte nobre, com duas varandas voltadas para a Avenida da Liberdade, à zona de serviço, com entrada pelo n.º 77 da Rua Rodrigues Sampaio. Entre as salas da frente e a generosa cozinha e os aposentos das minhas tias e das criadas nas traseiras, ficavam mais quartos e duas casas de banho, que para um prédio do século XIX era muito avançado. O edifício também ostentava um curioso sistema acústico de intercomunicadores, numas mangueiras com bocal de cobre nos extremos, entre a portaria no hall de entrada e o interior de cada fracção.

A fachada era discreta, mas icónica me parece hoje a altaneira e pesada a porta principal, circundada de alvenaria trabalhada, cujo chiar do amortecedor antecipava um estrondo que me fazia fugir degraus acima, assustado. As escadas de madeira eram muito largas e enceradas almofadadas por uma passadeira encarnada, ladeadas de mármore de um lado e por um elegante e sólido corrimão de madeira que terminava numa estatueta graciosa, e numas largas escadas de pedra com um corrimão de bronze que precediam um hall aristocrático com elegantes frescos.

Vivia intensamente as minhas estadias naquele extenso mundo de descobertas e de liberdade. Se naquele andar tão soalheiro a vida fervilhava logo pela manhã cedo na área de serviço com os afazeres domésticos das empregadas, a chegada do barbeiro que vinha escanhoar a barba do Avô João, do padeiro, do marçano, a mulher-a-dias que esfregava ou puxava o lustro ao chão encerado, a Celeste que saía para a Praça a fazer as compras; a avó Chunchinha acordava mais tarde para, ainda deitada, me premiar com vinte-e-cinco tostões para um gelado com que me punha feliz a andar para a pastelaria Smarta. Depois, uma visita à sala verde onde se sentava a Bisavó Valentina (Avó Tina, como lhe chamávamos) a fazer crochet, dava direito a ouvir histórias, de desventuras de outros tempos que ela tão bem sabia contar, como aquela dum criado brasileiro dos seus pais que se suicidara para não ir para a guerra ou das escaramuças entre republicanos na Avenida, que obrigavam a família a deitar-se no chão do corredor para se protegerem de uma eventual bala furtiva…

Aos almoços uma ementa variada era servida na sala de jantar pela Celeste, sempre bem fardada — e como eu gostava daquela feijoada à brasileira, receita que desconfio tivesse sido importada pela minha Avó Tina. Depois do almoço abatia-se um profundo silêncio que só era quebrado pelas minhas solitárias brincadeiras com carrinhos de brinquedo no chão, pelos caminhos desenhados nos grandes tapetes, quando não tinha a sorte de ir com a Avó Chunchinha à baixa, para comprar algum prato de faiança «cavalinho rosa» para completar o serviço, ou bolachas Araruta e uma mistura de café na casa Pereira ao Chiado.

À noite, o jantar era quase sempre um momento de exaltação familiar, com a mesa cheia e boa conversa, quase sempre com uma ou outra visita de parentes ou amigos da casa, sempre acolhedora, iluminada por grandes lustres que irradiavam festa. Com sorte, os meus primos eram visita e logo armávamos em loucas correrias pelo interminável corredor, a desafiar o António na cozinha, que era noivo da Celeste. Isto até nos mandarem parar por causa de uma queixa do mítico Senhor Cruz, um vizinho muito doente que eu desconfiava ser apenas um pretexto para nos acalmar. Lembro-me do meu avô sempre elegante, com um lenço branco a sair do bolso do casaco, à conversa com os meus tios à volta duma pequena mesa de bar, servindo-se Whisky com gelo e Água de Castello.

Avenida da Liberdade.jpg

Ao final da noite, com a casa já toda a dormir, aquele corredor de luz fosca parecia-me assustador de atravessar, com os murmúrios vindos dos saguões que soavam da sombra que se adensava lá mesmo ao fundo, que hoje acredito serem choros e lamentos das vítimas de histórias sombrias, acontecidas ali bem perto na rotunda ou lá em baixo ao Terreiro do Paço, e que marcaram de forma tão dolorosa a vida dos meus antepassados naquela casa.

As festas eram magníficas, não por luxos, que raramente os havia naquela casa, mas pelo empenho e generosidade dos donos da casa. Todas as festas do calendário eram assinaladas na Casa da Avenida, sempre cheia de amigos, tios e primos: do Carnaval com partidas para todos os (des)gostos, à Páscoa com ovos de chocolate para todos os netos, mas principalmente a Ceia do Natal, servida depois da Missa do Galo na igreja de São Pedro de Alcântara, com peru, chocolate quente, sonhos e muitas outras delícias da época, que comíamos depois de abertos os presentes que se amontoavam junto à árvore de Natal. A cor do papel de embrulho identificava a proveniência.

Com pouco mais de sete anos dispunha-me, afoito, a explorar as redondezas com umas moedas no fundo do bolso dos calções. Começava pela tabacaria Glória, esquina da Travessa do Enviado de Inglaterra com a Rua de Santa Marta, onde podia cobiçar uma revista do Patinhas ou um carrinho Matchbox, para o qual o meu dinheiro não chegava. Descia então pela fervilhante Rua de Santa Marta, zona de serviço das casas burguesas da Avenida, passando indiferente pelas mercearias, talhos e «lugares» de frescos, por sapateiros, relojoeiros e casas de penhores, até chegar à Rua de São José, onde dava meia-volta, para aí estoirar o dinheiro num qualquer pechisbeque de plástico com rodas numa qualquer drogaria mixuruca. Voltava então a subir a infindável Rua de Santa Marta, com um apetite cada vez mais aguçado, arrependido de não ter guardado o dinheiro para comprar um bolo.

É importante uma palavra sobre o pessoal doméstico, que de facto era parte da família: tenho consciência que nesse tempo, final dos anos sessenta princípio dos anos setenta, se vivia o final de uma era e o começo de uma outra, com uma radical democratização do consumo e uma inflação que tornava proibitivos os ordenados das empregadas. Foi a época do advento dos apartamentos pequenos, a revolução dos electrodomésticos, a vulgarização dos restaurantes e do pronto-a-vestir que substituíam uma ancestral organização doméstica. Na Casa da Avenida ainda tive tempo de me afeiçoar a figuras de referência como a Conceição costureira e a Celeste. Muitas tardes passei eu a brincar na companhia da Maria da Conceição, que me contava histórias dum universo misterioso que eram as suas origens humildes, de um irmão que perdeu em criança. E era a Celeste que me vestia em pequeno, e que eu tanto gostava de acompanhar às compras ou de ficar a vê-la moer a carne no passador, ou dobrar em meias luas a massa de rissóis. Pensava na minha ingenuidade ser ela minha amiga para a vida, e estranhei muito que tivesse desaparecido sem deixar rasto depois do 25 de Abril, supõe-se para emigrar com o seu António. Há pessoas que não suportam a dor de uma despedida.

Com a morte da minha Bisavó em 1973, os meus avós não puderam renovar o contrato de arrendamento, e no ano de todas as revoluções viram-se obrigados a mudar-se para um pequeno andar — ironia do destino — na Calçada Marquês de Abrantes. Apesar da mobília e da decoração que remetiam para a memória da Casa da Avenida, num país em convulsão e já doentes, foi com muita dificuldade que os meus avós enfrentaram a nova realidade. As mortes dos meus queridos avós ocorreram espaçadas de poucos meses pouco tempo depois, desconfio que por desistência, na dificuldade se adaptarem a mais uma nova era.

Será que, apesar dessa derradeira amargura, tiveram alguma vez a noção do extraordinário legado que nos deixaram? Prometo contar-vos esta história em que estou a mergulhar com todo o detalhe e verdade que me for possível.

A estes heróis não devemos nada menos que isso.   

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 19:47

Quarta-feira, 16.11.16

Humanidade

Não somos nunca sós. Somos em comunidade com aqueles que amamos e com os que nos precederam no tempo. Esse carisma é uma fresta com vista para a eternidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 12:24

Sábado, 12.11.16

O Amor é que nos salva

 

Magnified, sanctified, be Thy holy name
Vilified, crucified, in the human frame
A million candles burning for the help that never came
You want it darker
Hineni, Hineni
I'm ready, my Lord

 

Passados os cinquenta a morte passa a fazer parte do nosso dia a dia como Espada de Dâmocles, quase nos habituamos à surpresa de ver partir os muitos que amamos e outros que, sem uma relação pessoal mas sendo uma referência, simpesmente nos habituaram a uma reconfortante coexistência. Na música popular há nesta década uma extraordinária e irrepetivel geração que atinge uma idade perigosa e nesse sentido 2016 tem sido um ano muito fonesto. É o caso do poeta, músico e escritor Leonard Cohen que agora nos deixou.
A verdade é que nos meus tempos de Liceu não adivinharia o reconhecimento que o cantor obteve na hora da sua morte, em grande destaque nos noticiários de prime time dos canais generalistas. Lembro-me de descobrir Leonard Cohen ainda miúdo escutando em casa com a minha irmã as suas canções para “gente grande”. Elas eram um desafio para o meu limitado entendimento do inglês, onde se intuía uma densidade que nunca parei de desvendar, ou apenas trautear a arranhar numa guitarra emprestada. Fascinavam-me na sua música aquelas geniais harmonias e a sua voz sombria contrastando com um coro de cristalinas vozes femininas. É dessa primeira fase, até a Death of a Ladies' Man, a que mais gosto desvendada pelos discos Songs of Leonard Cohen e depois com Songs of Love and Hate discos que ainda hoje guardo muito gastos pelo uso e que a malta da escola achava monótonos e deprimentes. É um lugar comum afirmar que Songs of Love and Hate é um portentoso hino à melancolia, à solidão. Definitivamente não se seduzia uma miúda gira com Leonard Cohen - ou talvez o problema fosse mesmo meu. Depois, pelo que leio por aí descubro que sou dos poucos que gostam  Death of a Ladies' Man que a produção de Phil Spector transfigura numa estranha coloração psicadélica como que plastificada, mas bela. Gosto muito da voz Leonard Cohen abafada atrás da "cortina de som", do desprendimento de  "True Love Leaves No Traces", da elegante devassidão em "Paper Thin Hotel" e  "Death of a Ladies' Man". Foi mais tarde o visionário álbum The Future que resgatou a minha paixão então mais adulta pela sua música e palavras que fascinam ou nos inquietam até hoje. 
Curioso como Leonard Cohen confessa à beira da morte em You Want It Darker publicado há dias que, mesmo no desespero do Seu silêncio, se encontra pronto para o encontro com o Senhor. Será certamente uma figura de retórica de quem passou uma vida a desafiá-Lo e a procurá-Lo. Eu pela minha parte que sou teimoso quero crer que o Nosso Senhor o tenha já recebido em Sua infinita Glória. Leonard Cohen o trovador aristocrata que veio da neve, aquele generoso homem elegante, culto e educado que tirava o chapéu depois de cantar para nos agradecer as palmas, a nossa devoção. De resto, concordamos no essencial: “Love's the only engine of survival”.

_92391006_leonardcohenap.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por João Távora às 21:55

Quinta-feira, 10.11.16

Um grande galo

grande galo.jpg

 A provocação, surpresa (ou espanto) transposta num objecto é correntemente confundida com 'Arte'. O que é a Arte? Mais fácil dizer o que não é. O tempo tem o bom hábito de resolver estas questões. (A maior parte da música que ouiço não vai sobreviver cem anos). Tenho para mim que a Arte remete para o Belo e Transcendente. E que a obra não pode depender de um contexto. Um galo de Barcelos é um galo de Barcelos, não será a sua descontextualização que faz dele uma obra de Arte. Um galo de Barcelos gigante descontextualizado pode ser giro mas certamente não é uma obra de Arte. Nem um mictório.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:43

Segunda-feira, 31.10.16

Hallowquê?!

halloween.jpg

 Nas cidades portuguesas (as aldeias há muito que já não contam para o campeonato) o Halloween é hoje um facto consumado, até chegou a minha casa, não vale a pena resistir. Por todo o lado, virtual ou físico, deparamo-nos com decorações de máscaras de abóboras ocas, teias de aranhas e vassouras de bruxas, e meninos-bem mascarados de mortos-vivos batem-nos à porta a pedir “doces ou travessuras” (do inglês tricks or treats). Curioso é como várias pessoas com que me cruzei hoje se despediram de mim desejando "bom feriado", não sei se por não saberem o que se celebra amanhã ou se fruto dum esforço de serem politicamente correctas - vou mais pela primeira hipótese. Constato com alguma tristeza que os portugueses são tão permeáveis a modas quanto volúveis no que respeita às suas tradições mais "genuínas"; muitas delas, suspeito que não tiveram tempo de o chegar a ser (tradições). Nascido e crescido em Lisboa onde desde cedo circulava com aguma liberdade, não me lembro de alguma vez ter visto pedir “Pão por Deus”. A coisa mais parecida que testemunhei foi, há muitos anos, o “tostãozinho para o Santo António”, mendigado por meninos que me pareciam mesmo pobres. Desconfio que seja essa pobreza que justifica a fragilidade das nossas tradições populares, que o mais das vezes remetem para um passado rural que à segunda geração os imigrantes citadinos votam ao esquecimento como se de más memórias se tratassem. Já o Dia das Bruxas transmitido das séries americanas é suficientemente anódino, higiénico e venal. O Dia das Bruxas ajusta-se ao formato da diversão carnavalesca em que por estes dias se vão transformando todas as nossas festividades religiosas, do Natal com o velhinho de vermelho entontado, passando pela Páscoa dos chocolates e dos coelhinhos, ao dia de Todos os Santos cujo objecto afinal é um grande incómodo para a adolescentocracia. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 21:08

Terça-feira, 18.10.16

O que eu passei para aqui chegar...

“Somos uns seres no gerúndio, não somos fixos, estamos sempre a fazer-nos… Ao contrário das cobras, que se vão separando de cada pele, nós sobrepomos as peles, e portanto entesouramos a realidade que vamos sendo.”
Ortega y Gasset
 
A minha filha disse-me certo dia, quando era pequenina, que queria ser uma “celebridade” – a palavra requer aspas pois a sua conotação hoje em dia liga-se à “fama” mediática. Um desejo que na altura já se revelava um pouco contraditório com o seu feitio algo tímido e cortês. Ainda hoje acredito como é importante uma pitada insegurança para temperar um bom carácter. Tentei explicar-lhe como melhor ainda que ser “famosa” é ser “importante”, como é o caso de uma médica que salva as pessoas da doença, de um professor que desperta os alunos para o saber e para a liberdade de pensarem por si, ou de uma mãe de família com o poder de incutir bons valores e força de vontade nos seus filhos.
Certo é que queremos sempre nos extravasar das margens do que somos, desafiar o que a nossa natureza nos dificulta. Por exemplo, eu admiro profundamente a capacidade de um bom tribuno, culto, de pensamento rápido e discurso arguto. Nunca lá chegarei perto, mas o certo é que nos vamos transformando (sim, estamos sempre a recriarmo-nos), e que o que somos é um milagre de que não temos consciência, fruto de um vagaroso itinerário interior feito vontade, tão lento como o ponteiro das horas que parece estar sempre parado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 11:17

Quinta-feira, 13.10.16

Opostos

nm1272_opostos.jpg

Para quem não comprou o Diário de Notícias ou o Jornal de Notícias no Domingo, aqui está o artigo da revista Notícias Magazine já na rede, um civilizado confronto República vs. Monarquia corporizado pelo antigo ministro da defesa Nuno Severiano Teixeira e por mim

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 10:26

Segunda-feira, 10.10.16

Devassas

Irrita-me solenemente o discurso unanimista contra Donald Trump, mas na verdade confesso que fiquei estupefacto com o baixo nível da conversa do candidato republicano que o Washington Post trouxe à luz do dia e que para o caso julgo ser pouco relevante se era privada ou pública. Não sou melhor nem pior que ninguém mas por defeito de educação prezo uns valores mínimos de estética (que é sempre um reflexo da ética), exigíveis a qualquer pessoa, mas mais ainda na proporcionalidade da sua responsabilidade social. Dito isto estou inclinado a admitir que a indiscrição do WP neste caso está no domínio do serviço público.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 10:05

Quinta-feira, 06.10.16

Rua da Saudade (parte i)

Rua da saudade.jpg

Esta é uma história de tempos felizes. Quando logo a seguir ao 25 de Abril eu arriscava dar uns passos para mais longe do refúgio familiar, com um espírito inocente e deslumbrado com as promessas da vida ao virar da esquina e ainda distante de perturbações existenciais que prenunciam a adolescência. Curioso como é mais fácil reavivar memórias luminosas quando estas estão ligadas a uma casa, a um determinado sítio. E todos sabemos que a saudade vive nas casas onde fomos amados, cheias dos nossos fantasmas, que às vezes somos nós próprios noutras eras, e que só as abandonam quando são demolidas ou nós as abandonamos pela morte separados.

A casa de Agath V. Radey, de quem por estes dias se celebram cem anos do nascimento, apesar da modéstia e degradação, permanece com uma estranha dignidade, se não altivez, ali a dois passos da Praia dos Pescadores na Baía de Cascais, numa ruela de pedra calçada que por ironia do destino se chama Rua da Saudade. O mesmo destino que me faria voltar à Vila de Cascais onde passei tempos soalheiros num estúdio em frente ao Teatro Gil Vicente antes de casar. O mesmo destino que me fez abrir o escritório não muito longe da Avenida Emídio Navarro, a dois passos da Parada dos nossos saudosos reis, na casa que viu nascer a minha mãe, onde os meus avós passavam a longa época estival à procura de uma bonança mais salubre que a ebulição cosmopolita da Avenida da Liberdade. Todos tomamos uma geografia em legado que redesenhamos pela vida fora.

Agath V. Radey era Princesa de Auersperg e nasceu em Goldegg no Estado da Baixa Áustria em 1916. Chegou a Cascais, desta feita para ficar, com o seu filho Joko, em 1948, depois se ter deixado seduzir anos antes por esta vila. Aqui, no extremo ocidental da Europa, nesta terra de paz e segurança, decidiu sublimar os horrores que presenciara, escapando às ruínas deixadas pela II Guerra Mundial, que levara para o céu o seu marido, Rudolf Georg von Radey, morto pelo exército soviético.

A casa para onde veio morar tinha um pequeno quintal, e nele viviam muitos gatos que falavam com a Tia Ágata, que os tratava com imenso carinho, talvez aquele que já não fosse possível dar ao seu filho, já homem feito, que se escondia, reservado, depois do trabalho, numa sala de música que albergava a maior colecção de discos de música clássica que alguma vez eu vi. Já na altura me fascinavam os sistemas de som, e era com alguma frustração que me sentia indesejado naquele pequeno templo de melomania. A Tia Ágata tinha uma silhueta magra e amarrotada pela vida, e eu pressentia-lhe impressos nos olhos silenciosos que me observavam ao jantar, mil imagens por ela vividas… castelos encantados, como aqueles, magníficos, que se agarram às encostas do Reno, soldados a avançar barulhentos com espingardas na mão, marchas sem rumo de refugiados órfãos das suas pátrias, bombas a cair como chuva impiedosa, suja de lama, de fumo e de pólvora, capaz de submergir as memórias mais felizes. A Tia Ágata era ágil e tinha um sentido prático que me parecia extraordinário: por vezes acompanhava-a ao supermercado Jumbo (uma novidade na época) na sua carrinha Morris Mini de lata cinzenta, consumida como os tachos que se penduravam na parede da cozinha, cheia de gatos interesseiros que me fitavam em alemão.

Não sei como se estabeleceram os laços entre as nossas famílias, mas sei que naquele Verão de 1974, quando em minha casa ainda morava esperança, fui convidado a passar uma temporada naquela residência da Rua da Saudade. Fiquei alojado num pequeno quarto ao lado do sótão onde a Tia Ágata pintava. Lembro-me que os lençóis eram de linho fresco e que da janela se ouviam os pescadores a desafiar o mar e as gaivotas que voltavam da faina com ventos de maresia.

Os dias, então, passava-os na praia com os seus sobrinhos que tinham a minha idade, o Alexandre e a Ágata, que moravam no outro lado da Baía, ao cimo da rua curva, quase ao pé da Igreja da Assunção. A pequena Ágata tinha em comum comigo a curiosidade por todas as marcas, todos os modelos, e potência de todos os carros com que nos cruzávamos nas ruas da vila de Cascais ou que saíam nas revistas da especialidade. E tinha um irresistível charme quando falava com o irmão aquele arrazoado que é para mim a incompreensível língua de Goethe. Os três gostávamos de música pop e aquele Verão ficou-me para sempre ligado às cantigas do disco de Paul McCartney “Band on The Run” que ouvíamos repetidamente. Uma ou outra vez, as noites mornas convidavam-nos à praia dos pescadores e aquelas fizeram-se umas semanas inesquecíveis, feitas de praia e de passeios mágicos, sem grande história como são sempre os tempos felizes.

De regresso a casa, enquanto o ódio começava a ser gritado em grafitis e vociferado em manifestações pelas ruas da cidade, enquanto as armas se acicatavam bêbedas pelos quartéis, ainda empreendi umas quantas visitas ao Alexandre e à Ágata com paragem obrigatória na Rua da Saudade: a viagem a partir de Alcântara era ainda mais emocionante quando tinha a sorte de arranjar um estratégico lugar sentado em segunda classe. Aproveitava para me perder no imobilismo do horizonte, que tanto contrastava com a velocidade a que a costa se sumia, e  para ver o rio Tejo fugir mansamente para Lisboa pouco antes da carruagem mergulhar nas águas, ali antes de se chegar ao Bugio. Claro que os comboios de agora já não têm 2ª Classe e limitam-se a passar em seco rente à rebentação. Chegado ao fim da linha, atravessava ansioso as ruelas emaranhadas de Cascais, aproveitando com os meus amigos o dia que se toldava cada vez mais depressa.

Vieram as primeiras chuvas, as rotinas das aulas começaram e Cascais tornou-se uma terra cada vez mais longínqua, eu já só lá chegava por cartas de letra bem desenhada, e os tempos escureciam enquanto os cravos murchavam nas libertárias G3 e o poder entornava-se na rua, excitada, assustada e a espumar de raiva. Antes de chegar o Verão soube da partida da pequena Ágata e do Alexandre com os pais para a Áustria. Gato escaldado de água fria tem medo.

(Continua aqui)

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 21:51

Quinta-feira, 06.10.16

Rua da Saudade (parte ii)

Quadro.jpeg

Há poucos meses, numa inauguração no Museu dos Coches, fui interpelado no elevador pelo R. que, depois de confirmar a minha identidade, simpaticamente se apresentou e me informou que era possuidor de um retrato meu pintado por Agath V. Radey. Foi quando uma cascata de sentimentos e memórias se desprendeu do meu arquivo de histórias – lembrei-me daquele sótão de pintura da Tia Ágata e do quadro que cheguei a ver rascunhado pelo traço do carvão. Soube então do tributo que a família está a preparar por ocasião do seu centenário natalício no mês de Outubro. Soube como Agath V. Radey ainda chegou a ser homenageada no final dos anos 80, uns anos depois da sua morte, com uma exposição organizada pela Câmara de Cascais de algumas das suas mais significativas obras no Museu Conde de Castro Guimarães. Do seu amor a Cascais e às gentes simples com quem se cruzava, a uma vida a que se entregou com o desprendimento que só uma princesa sabe ter, como se fora serviço. Lembrei-me outra vez do seu olhar azul, cansado, com que me velava à mesa de jantar – a Tia Ágata obedecia a uma estranha regra de não jantar – da sua esmerada gelatina recheada de frutas frescas. Lembrei-me de como se movia ágil, com passo estugado, pelas ruas da Vila que adoptou, pela qual foi adoptada e onde morreu em 1983. Lembrei-me como guiava expedita o seu Morris Mini como se fora um Kart, que circulava ruidoso entre os barcos e as redes dos pescadores, ou de como os caminhos da vida são tão sinuosos quanto imprevisíveis, e podem confluir numa rua chamada Saudade. E de como um Verão mágico como aquele não ficou só esculpido na minha saudade, mas afinal está testemunhado em cores vivas numa tela, prova materializada, visível, palpável, dum tempo em que, como criança que pôde ser criança, tive tempo de ser feliz.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 21:47

Quarta-feira, 05.10.16

Cheque MAAT

ng7680470.JPG

Os canais de notícias gostam é de entrevistar populares para encher os balões da sua miserável programação low cost, e depois saem destas: na inauguração do museu da EDP um deles aos microfones da SIC Notícias exibia a sua colossal erudição e argúcia de pensamento comparando “as linhas rectas e quadradas do Centro Cultural de Belém e as linhas curvas elegantes do MAAT que são reflexo dos diferentes governantes nas diferentes épocas” (Cavaco e António Costa, para bom entendedor). De nada valeria que alguém lhe dissesse que este novo edifício do Museu da Electricidade não é obra da geringonça nem da república, é sim um empreendimento do capitalismo internacional, nomeadamente Chinês, que pagaremos com língua de palmo mensalmente na nossa factura da electricidade. 

Era mesmo de mais um “espaço de exposições” que Lisboa estava a precisar, não era?

 

Imagem Diário de Notícias

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por João Távora às 18:51

Quarta-feira, 05.10.16

República do nosso descontentamento

republica.jpg

Curioso que na data em que se celebra o aniversário do Tratado de Zamora assinado a 5 de Outubro de 1143 e no qual que se fundou a nossa nacionalidade o regime insista festejar a revolução com que se deu início ao período mais negro da história recente de Portugal, que não foi mais do que o da institucionalização do ódio e ressentimento social. Se é verdade que todas as Nações convivem com esta moléstia feita arma de arremesso politico que mina a convivialidade e a promoção de consensos - que são o motor do progresso e do bem estar; é para mim uma trágica constatação que as elites emergentes do final da monarquia constitucional tenham capitulado perante esse funesto modelo estético alicerçado no ressabiamento e no ódio de classes que nos vem condenando a este triste destino que é o de nos mantermos ingovernáveis na cauda do mundo civilizado a perorar contra inimigos externos e imaginários – à falta de melhor.

Há quanto a mim essencialmente duas formas de uma comunidade se afirmar: ou através duma cultura da promoção do sucesso, tendo-se como virtude o desejo de triunfar e de ser feliz, e uma outra que é o da instigação da inveja e do rancor, modelo que se instituiu entre nós definitivamente através do ideário populista triunfante do PRP de Afonso Costa. Foi essa lógica que prevaleceu no fim da Monarquia Constitucional sequestrada por uma pequena minoria radical, com regicídio em primeiro lugar e com a revolução do 5 de Outubro dois anos depois. Assim se deitou por terra um longo e atribulado período de aprendizagem democrática que foi a segunda metade do século XIX. 

Passados mais de cem anos constatamos com mágoa e angustia que de nada valeu o sangue derramado pelo Rei D. Carlos e pelo seu filho Luís Filipe, de nada valeram as revoluções, os golpes e brutalidades que se lhe seguiram, os despotismos, a repressão, os regimes mais ou menos ortopédicos e suas vítimas silenciadas. Acontece que um País não se resgata através da destruição dos seus símbolos e instituições, muito menos pela instigação ao ódio. Esse legado é execrável, e ainda hoje pesa nas nossas costas e reflecte-se na disputa política. Com as mesmas duvidosas intenções, brincamos com o fogo no tabuleiro do jogo do poder, é o que é. 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 12:01

Domingo, 25.09.16

Temos aquilo que merecemos

Os portugueses são particularmente propensos a mudar a terminologia e o nome das instituições convencidos que assim alcançam o progresso, alteram a substância e se apropriam da autoria da roda. Estamos sempre a menorizar as gerações anteriores e a menosprezar o passado - sem o conhecer.

Parolos como somos adivinha-se que a partir de agora o Palácio da Ajuda será sempre apresentado graficamente pelas traseiras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 15:57




Sobre o autor

João Lancastre e Távora nasceu em Lisboa, que adora. Exilado no Estoril, alienado com política e com os media, é sportinguista de sofrer, monárquico, católico e conservador. No resto é um vencedor: casado, pai de filhos e enteados, é empresário na área da Comunicação e do Marketing. Participando em diversos projectos de intervenção cívica, é dirigente associativo e colabora em vários blogues e projectos comunicação política e cultural.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Instagram

Instagram

calendário

Novembro 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930