Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

João Távora



Segunda-feira, 30.04.07

Lá vamos cantando e rindo...

O nosso zeloso regime republicano, (de Arriaga, Teófilo, Cabeçadas, Salazar, Tomaz, Gomes, Soares e tantos outros), que tão exuberantemente nos vem governando há quase 98 anos, prepara, pela cabeça das suas luminárias oficiais, umas opíparas e masturbatórias celebrações centenárias. O regime implantado pela força da violência, e arreigado à custa da mentira e da ingenuidade popular pretende dentro em breve promover-se em opulenta festa nacional. À conta dos meus impostos. Para isso, não serão poupados esforços na propaganda ou meios para a maquilhagem da história. Antevêem-se para esta orgia regimental a consumação de novas e prometidas conquistas populares, como uma lei para o casamento entre homossexuais e quem sabe que outros brindes mais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 23:26

Domingo, 29.04.07

Conversão à liberdade

A propósito da leitura do livro dos Actos dos Apóstolos em baixo: o cristão convertido é existencialmente insatisfeito, tem sede de uma verdade maior. Não é feliz por ter, antes por ser. É feliz numa paz interior, de quem é profundamente livre da alienação, porque sabe ao que vem, e a quem serve. Porque aprende a amar. Porque aprende a confiar, porque aprende a entregar-se.
O cristão convertido assume o compromisso de viver em Cristo. Na prossecução da felicidade, no cumprimento desse amor, e porque não é egoísta, procura espalhar a preciosa Palavra redentora. Com humildade aos acomodados e distraídos. Com valentia, não temendo os poderosos do mundo, apregoa a Boa Nova bem alto aos novos fariseus "os de maior categoria". Despreza a sua mundana glória fácil, sendo piedoso e complacente com as modernas “Senhoras devotas”. Porque o cristão convertido acredita no livre arbítrio de toda a criatura de Deus. Acredita que enquanto existir desejo de verdade, enquanto houver um excluído do opulento banquete dos homens, aí encontrará terra fértil para a palavra de Deus. Aí se encontrará Cristo vivo, a felicidade verdadeira e a esperança na ressurreição. Mesmo que ainda tenha de voltar à clandestinidade das catacumbas, e ser humilhado no circo da soberba e da arrogância.
Eu, católico confesso, tenho esperança numa profunda conversão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:16

Domingo, 29.04.07

Domingo

Livro dos Actos dos Apóstolos 13,14.43-52.

Quanto àqueles, deixaram Perga e, caminhando sempre, chegaram a Antioquia da Pisídia. A um sábado, entraram na sinagoga e sentaram-se.
Depois da reunião, muitos judeus e prosélitos piedosos seguiam Paulo e Barnabé, os quais, nas suas conversas com eles, os exortavam a perseverar na graça de Deus.
No sábado seguinte, quase toda a cidade se reuniu para ouvir a palavra do Senhor. A presença da multidão encheu os judeus de inveja, e responderam com blasfémias ao que Paulo dizia.
Então, desassombradamente, Paulo e Barnabé afirmaram: «Era primeiramente a vós que a palavra de Deus devia ser anunciada. Visto que a repelis e vós próprios vos julgais indignos da vida eterna, voltamo-nos para os gentios, pois assim nos ordenou o Senhor: Estabeleci-te como luz dos povos, para levares a salvação até aos confins da Terra.»
Ao ouvirem isto, os gentios encheram-se de alegria e glorificavam a palavra do Senhor; e todos os que estavam destinados à vida eterna abraçaram a fé.
Assim, a palavra do Senhor divulgava-se por toda aquela região.
Mas os judeus incitaram as senhoras devotas mais distintas e os de maior categoria da cidade, desencadeando uma perseguição contra Paulo e Barnabé, e expulsaram-nos do seu território.
Estes, sacudindo contra eles o pó dos pés, foram para Icónio.
Quanto aos discípulos, estavam cheios de alegria e do Espírito Santo.

Da Bíblia sagrada

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 15:59

Sexta-feira, 27.04.07

Rivalidades

Gostar de futebol a sério é viver a vertigem dum derby. É assumir uma apaixonada rivalidade. É agigantar as expectativas e atirar os foguetes todos, mesmo antes da festa. Desdenhar os rivais, arranjar lenha para nos queimar. É a desonestidade intelectual com antecipado perdão. É um jogo perigoso para uma eufórica glória... ou apenas uma efémera desilusão. Uma amável e salutar criancice.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 13:33

Quinta-feira, 26.04.07

Uma luz que vem do túnel

Do alto da torre 3 das Amoreiras, nesta tarde soalheira e cristalina, observo contente o trânsito que flui suave, como se hoje fosse um calmo Domingo de Agosto. Uma experiência única a que nos vamos habituar facilmente, como acontece sempre com as coisas boas.
O resto, é o ruído de uma democracia doente e de um país deprimido, com medo de ser feliz.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 16:34

Quarta-feira, 25.04.07

Da arrogância e mesquinhez

Alguns comentários a este meu texto, reflectem quanto a mim uma incomensurável arrogância e mesquinhez. Eu explico: não sou jornalista nem historiador, e assim sendo esta foi uma abordagem à efeméride assumidamente intimista, obviamente subjectiva. Escusei-me deste modo a descrever experiências e FACTOS por mim vividos que guardarei para outros públicos. Limito-me a falar de sentimentos e sensações por mim vividos. Os meus sentimentos não são comparáveis qualitativamente ou quantitativamente com os de ninguém mais, foram tão só experiências pessoais únicas. Vivi esta revolução e não outra, através dos meus sentidos e não pelos de outros... naturalmente condicionado pela minha história e origem sociológica.
De resto no meu texto assumo a benignidade da revolução grosso modo, de um ponto de vista racional e pragmático. De todo egoísta, e garantidamente democrático. Como prova disso, recebam lá estes cravos escolhidos a preceito.

PS.: Caro João: Não sofro desse tipo de alergias, mas obrigadinho na mesma!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por João Távora às 14:05

Quarta-feira, 25.04.07

Mais um incontinente

João Vacas é a nova contratação dos Incontinentes Verbais, para mim uma das melhores “marcas” da blogosfera nacional, cada vez com mais “miolo”. Parabéns a todos, especialmente à empresária Mafalda pelo feito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 11:19

Terça-feira, 24.04.07

Esta festa não é minha

Mal terminada a festa, quando parecia conquistada a esperança, logo uma escumalha ressabiada e intolerante ocupou a praça, a estragar tudo. A turba em tons vermelhos e de punho erguido bradou à morte e incitou à guerra. A que chamavam luta. Iniciando então um impiedoso assalto ao poder que todos os dias nos roubava mais a liberdade. Então, a revolução de 74 abalroou a nossa vida, assaltou a casa dos meus pais. Para nos tornar em novos proscritos. Como foi possível tanto ódio?
Na época, eu era um imberbe e juvenil estudante, que por imitação do meu pai me tornara precocemente politizado e discursivamente assertivo. E foram muitas as angústias e apreensões vividas em família naqueles inesquecíveis tempos “revolucionários”.
Os sentimentos por mim experimentados na sequencia da revolução de Abril, as memórias que guardo daqueles protagonistas, as lembranças dos seus esgares e trejeitos fanáticos, das suas arbitrariedades e da minha total impotência, causam-me ainda hoje amargos sentimentos.
Reconheço na democracia conquistada a posteriori o melhor sistema político possível. Como cristão e democrata, bater-me-ei sempre com todas as minhas forças pela liberdade e pela justiça. Hoje como então.
Por mim, agradeço a liberdade pela qual afinal também lutei. Mas não me convidem para esta festa da qual fui excluído faz amanhã 33 anos.
.
Ilustração daqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 22:06

Segunda-feira, 23.04.07

Ter um filho, plantar uma árvore e...

Hoje dia mundial do livro, descubro este surpreendente site que democratiza definitivamente o livro. Para quem ambicione completar a velha trilogia de ter um filho, plantar uma árvore... e queira mesmo publicar um livro. Em lulu.com a edição do autor é mesmo para todos, tão fácil como plantar uma árvore. “O meu bóbi”, o “meu blogue” ou a minha “tese de doutoramento”. O meu “álbum fotográfico”, “a minha poesia” ou a “minha miúda” tudo escarrapachado num pomposo livro, para todos os gostos e bolsas. Com ou sem ISBN, só para a família e para os amigos ou para vender numa qualquer amazon da vida e talvez ficar famoso. As editoras “clássicas” que se cuidem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 10:49

Domingo, 22.04.07

Perigoso ilusionismo

Isto a mim não me faz rir coisa nenhuma, caro Rui Carmo. A imaculada gestão das relações públicas pelo Bloco de Esquerda deveria ser um caso de estudo. A eficiência dessa gente na gestão da sua imagem e na domesticação dos media é fenomenal. Qualquer grande partido ou multinacional almeja os espantosos resultados de marketing e relações públicas alcançados por estes laboriosos ilusionistas da política doméstica. O diácono Louçã, a emanação da esquerda radical inquisidora, protagoniza o fenómeno, com o Jerónimo no sapato. Representam o extremismo engagé, um "revanchismo" envernizado, a carbonária pós-moderna a três passos do poder. A gravata é um adereço de fácil acesso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:35

Domingo, 22.04.07

Domingo

Evangelho segundo S. João 21,1-19.

Algum tempo depois, Jesus apareceu outra vez aos discípulos, junto ao lago de Tiberíades, e manifestou-se deste modo: estavam juntos Simão Pedro, Tomé, a quem chamavam o Gémeo, Natanael, de Caná da Galileia, os filhos de Zebedeu e outros dois discípulos. Disse-lhes Simão Pedro: «Vou pescar.» Eles responderam-lhe: «Nós também vamos contigo.» Saíram e subiram para o barco, mas naquela noite não apanharam nada.
</strong>Ao romper do dia, Jesus apresentou-se na margem, mas os discípulos não sabiam que era Ele. Jesus disse-lhes, então: «Rapazes, tendes alguma coisa para comer?» Eles responderam-lhe: «Não.» Disse-lhes Ele: «Lançai a rede para o lado direito do barco e haveis de encontrar.» Lançaram-na e, devido à grande quantidade de peixes, já não tinham forças para a arrastar.
Então, o discípulo que Jesus amava disse a Pedro: «É o Senhor!» Simão Pedro, ao ouvir que era o Senhor, apertou a capa, porque estava sem mais roupa, e lançou-se à água. Os outros discípulos vieram no barco, puxando a rede com os peixes; com efeito, não estavam longe da terra, mas apenas a uns noventa metros.
Ao saltarem para terra, viram umas brasas preparadas com peixe em cima e pão. Jesus disse-lhes: «Trazei dos peixes que apanhastes agora.» Simão Pedro subiu à barca e puxou a rede para terra, cheia de peixes grandes: cento e cinquenta e três. E, apesar de serem tantos, a rede não se rompeu. Disse-lhes Jesus: «Vinde almoçar.» E nenhum dos discípulos se atrevia a perguntar-lhe: «Quem és Tu?», porque bem sabiam que era o Senhor. Jesus aproximou-se, tomou o pão e deu-lho, fazendo o mesmo com o peixe. Esta já foi a terceira vez que Jesus apareceu aos seus discípulos, depois de ter ressuscitado dos mortos.
Depois de terem comido, Jesus perguntou a Simão Pedro: «Simão, filho de João, tu amas-me mais do que estes?» Pedro respondeu: «Sim, Senhor, Tu sabes que eu sou deveras teu amigo.» Jesus disse-lhe: «Apascenta os meus cordeiros.» Voltou a perguntar-lhe uma segunda vez: «Simão, filho de João, tu amas-me?» Ele respondeu: «Sim, Senhor, Tu sabes que eu sou deveras teu amigo.» Jesus disse-lhe: «Apascenta as minhas ovelhas.» E perguntou-lhe, pela terceira vez: «Simão, filho de João, tu és deveras meu amigo?» Pedro ficou triste por Jesus lhe ter perguntado, à terceira vez: 'Tu és deveras meu amigo?' Mas respondeu-lhe: «Senhor, Tu sabes tudo; Tu bem sabes que eu sou deveras teu amigo!» E Jesus disse-lhe: «Apascenta as minhas ovelhas. Em verdade, em verdade te digo: quando eras mais novo, tu mesmo atavas o cinto e ias para onde querias; mas, quando fores velho, estenderás as mãos e outro te há-de atar o cinto e levar para onde não queres.» E disse isto para indicar o género de morte com que ele havia de dar glória a Deus. Depois destas palavras, acrescentou: «Segue-me!»

Da Bíblia Sagrada

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 08:48

Sábado, 21.04.07

O CDS ou Paulo Portas

Hoje decorrem as eleições directas no CDS, partido pelo qual sempre nutri simpatia, e do qual, por questões ideológicas ou meramente afectivas, sempre segui as atribulações.
A previsível vitória do Paulo Portas (PP) sobre o “meu” CDS, mais comprometido com os valores conservadores e cristãos de Diogo Freitas do Amaral, Adelino Amaro da Costa, Adriano Moreira ou mais recentemente de José Ribeiro e Castro e Maria José Nogueira Pinto, causa-me a maior das apreensões.
É traço do meu carácter uma necessidade pertença, de compromisso de grupo e dedicação às suas causas identificativas. Mas sempre em plena consciência e liberdade de arbítrio. Nesse sentido, com a descrença na mercenária política “mainstream”, fui divergindo progressivamente do curso desta "pequena história", de vaidades e ganâncias, do poder pelo poder, maquiavélica e tecnocrata. Sem nunca me ter desiludido com a política, (porque apesar de idealista nunca me iludi) hoje, objectivamente apenas me assumo politicamente como monárquico e um convicto cristão católico.
Suspeito que o CDS, uma vez mais travestido de PP (Paulo Portas), me causará os maiores embaraços e constrangimentos, como se de o “meu” partido ainda se tratasse. E assim, chego à conclusão que talvez tenha chegado a hora de aderir ao grupo daqueles que respeitam a memória dos fundadores do partido. Porque o CDS não pode ser uma marca, um franchising, a máquina de logística para um qualquer narcísico arrivista dispor e se servir a seu bel-prazer. Para um qualquer oportunista utilizar na prossecução dos seus egocêntricos objectivos. O CDS não necessita de chegar ao poder a qualquer custo. Necessita sim de quem não necessite dele, mesmo que esses todos caibam num táxi, mas tenham ideais. Para dessa forma um dia legitimamente renascer das cinzas da redundância e da vacuidade ideológica.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 15:17

Sexta-feira, 20.04.07

Eles andam aí

O intrépido Dr. Soares desceu paternalmente à praça publica, por ocasião do jantar de aniversário do seu partido, para acalentar os ânimos e reconfortar as almas socialistas. Para quem o quis ouvir, sustentou que por detrás do caso da licenciatura do Sr. Pinto de Sousa, assim como das escutas telefónicas a Ferro Rodrigues subsiste uma espantosa cabala armada pela oposição. Uma malévola maquiavélica conspiração com o intuito de derrubar os seus correligionários da cadeira do poder.
Sendo um facto o silêncio quase geral da oposição enquanto fritavam na bolgosfera as primeiras noticias e comentários sobre as incongruências académicas do Sr. Pinto de Sousa, pergunto-me então quem será esse monstruoso manipulador de comunicação social a que se refere o nosso vetusto ex-presidente: será o BE do Dr. Louçã (o primeiro a “aderir” ao escândalo) ou ao poderoso PNR, que tão magistralmente têm aprimorado as suas técnicas de relações públicas?
De qualquer forma estou convencido que o Dr. Pina Moura agora se vai empenhar resolutamente na correcção da actual e tresmalhada agenda mediática.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 10:09

Quinta-feira, 19.04.07

Posta à João Villalobos

“Portugueses fazem mais sexo que os espanhóis.”
Valha-nos ao menos isto! ...e a Vanessa Fernandes, o Cristiano Ronaldo e o facto de não termos terrorismo...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por João Távora às 11:53

Quarta-feira, 18.04.07

Desculpem o incómodo...

Os pobres-indigentes e os pobres-voluntários a deixarem-se olhar pela câmara sem os trejeitos de quem ainda pode ter alguma coisa a perder; uns, com o olhar mais dorido e perdido, incomodam a forma como vivemos; os outros, de olhar sossegado e penetrante incomodam as escolhas que fazemos; os que não têm casa e não parecem esperar nada de ninguém e os que "moram à sombra do Omnipotente" (Sl 90) e sabem bem em quem puseram a sua esperança; para uns, o movimento das ruas do mundo e a solidão; os monges, afastados das nossas cidades, acompanham o mundo num silêncio cheio de Presença.

A não perder na integra este texto da Sofia Sá Lima no Fora de Estrutura

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 12:41


Pág. 1/3




Sobre o autor

João Lancastre e Távora nasceu em Lisboa, que adora. Exilado no Estoril, alienado com política e com os media, é sportinguista de sofrer, monárquico, católico e conservador. No resto é um vencedor: casado, pai de filhos e enteados, é empresário na área da Comunicação e do Marketing. Participando em diversos projectos de intervenção cívica, é dirigente associativo e colabora em vários blogues e projectos comunicação política e cultural.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Instagram

Instagram

calendário

Abril 2007

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930