Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

João Távora



Sábado, 30.06.07

A vida das coisas

Sim, é um facto que os bens materiais nos podem desfocar das coisas importantes. Há dias recebi o meu carro novo, reluzente cor de prata e às vezes até dou por mim armado em parvo a espreitá-lo à janela. Como uma criança e o seu brinquedo novo, muito desejado. Como o carro é um pouco maior que o meu velhinho Rover (que a minha filhota pequena teve tanta pena de ver partir para mãos estranhas, quem sabe até "infiéis"), ainda não lhe “tirei as medidas”, e vai daí, tem acontecido suar aflito com receio de raspar a reluzente chaparia numa coluna ou parede traiçoeira. E as primeiras pegadas das crianças nas costas dos assentos impecáveis... E eu hoje de coração na boca a estrear a viatura ali para os lados da Alcácer aos solavancos no caminho de cabras com que se acede à casa da minha irmã...
Raios! ...acontece que tenho “saudades” que a omnipresente carripana adquira a necessária "patine" e de caminho a sua importância real...
...
(Que se lixe aquela corrosiva caca de pássaro no capot!)

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 22:53

Sexta-feira, 29.06.07

Encontros com Lisboa

Gosto de sair do escritório para "distâncias a pé". Passo a passo na calçada, aproveito para olhar a cidade, as casas, viajar na história escondida nas velhas cantarias, portas e fachadas. Sob o azul brilhante do céu, embalo-me com o movimento das pessoas e do trânsito animado, em circunstancial mas sincera cumplicidade.
Um dia espero voltar para a minha terra. Mas pergunto-me se então sentirei Lisboa assim com este mesmo olhar saudoso de... “exilado”?
,

Imagem daqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por João Távora às 16:26

Segunda-feira, 25.06.07

Orgulho straight


Tenho andado um pouco fora cheio de trabalhos e chego hoje aqui e encontro esta chinfrineira toda com um link e uma “não referência” ao meu nome e tudo. Que honra Daniel (vénia), vindas daí assim, as suas escarretas quase que são troféus! O seu desprezo sempre me dá bom estatuto – se a Câncio um dia calha fazer-me um link, no mínimo habilito-me a ser escorraçado pelos meus amigos!
Mas voltando à vaca fria (sem ofensa) o que fica é a impressão de que o Daniel (vénia), anda com problemas de identidade (ideológica, espero), e já não sabe como abocanhar tudo o que mexe à sua direita (quase toda a gente na legítima posse dos seus direitos cívicos). Mas deixe estar, força com a cruzada (?!), acenda um charrinho e ponha-se assim na rua, na marmelada, que eu não olho. Mesmo emparelhado com Angelina Jolie deve ser assim (que nojo!) uma “coisa linda de se ver”. É que isto de grandes intimidades afectivas em público fazem-me um pouco de confusão. No cinema até pode ser bonito, e mesmo assim, se estiver acompanhado com os miúdos fico um pouco atrapalhado. Parvoíces de conservadores.
Mas, quando já não houver mais temas fracturantes, talvez eles inventem finalmente a “causa” dos “feios”. Então talvez daqui a uns anos o presidente Zé nos arranje em Lisboa um clube especial para gente assim... Então eu prometo ir lá jogar consigo um dominó. Em paz, sem preconceitos ou marginalizações, que aqui entre nós eu também não sou nenhuma beleza.
De resto, caro Daniel (vénia), deixo-lhe este conselho que talvez o ajude: arranje um psiquiatra, não lhe vai resolver nada, mas ainda “parece” moderno “e assim”, e arranja alguém que o oiça por menos de 60.00€ à hora.
.
PS: Ainda não lhe disse que tenho amigos gays, mas não perca a esperança.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 21:56

Domingo, 24.06.07

Domingo

Evangelho segundo São Lucas 1, 5-17

Nos dias de Herodes, rei da Judeia, vivia um sacerdote chamado Zacarias, da classe de Abias, cuja esposa era descendente de Aarão e se chamava Isabel. Eram ambos justos aos olhos de Deus e cumpriam irrepreensivelmente todos os mandamentos e leis do Senhor.
Não tinham filhos, porque Isabel era estéril e os dois eram de idade avançada. Quando Zacarias exercia as funções sacerdotais diante de Deus, no turno da sua classe, coube-lhe em sorte, segundo o costume sacerdotal, entrar no Santuário do Senhor para oferecer o incenso. Toda a assembleia do povo, durante a oblação do incenso, estava cá fora em oração.
Apareceu-lhe então o Anjo do Senhor, de pé, à direita do altar do incenso. Ao vê-lo, Zacarias ficou perturbado e encheu-se de temor. Mas o Anjo disse-lhe: «Não temas, Zacarias, porque a tua súplica foi atendida. Isabel, tua esposa, dar-te-á um filho, ao qual porás o nome de João. Será para ti motivo de grande alegria e muitos hão-de alegrar-se com o seu nascimento, porque será grande aos olhos do Senhor. Não beberá vinho nem bebida alcoólica; será cheio do Espírito Santo desde o seio materno e reconduzirá muitos dos filhos de Israel ao Senhor, seu Deus. Irá à frente do Senhor, com o espírito e o poder de Elias, para fazer voltar os corações dos pais a seus filhos e os rebeldes à sabedoria dos justos, a fim de preparar um povo para o Senhor».

Da Bíblia Sagrada

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 21:55

Quarta-feira, 20.06.07

Casamentos de conveniência

Essa coisa dos homossexuais como persistentes vítimas já foi chão que deu uvas. Antes parecem-me em boa forma, e "recomendam-se" todos os dias. Aliás, na maior parte das vezes, as pessoas são é perseguidas por si próprias, pelos seus medos e fantasmas. A maior parte das vezes, são os olhos de cada um que exorbitam o preconceito alheio, parece-me. E isso, não se resolve com casamentos. A palavra “casamento” que eu saiba refere-se a “casal”. Casal, pela etimologia da palavra significa a união de um homem e uma mulher, mesmo sem um "rancho de filhos" - coisa de pretos e católicos. De resto, a promoção destas confusões e demais relativismos levam-nos aonde? É este, afinal, o novo rumo do Socialismo? São estas as novas causas, com a eutanásia e o aborto livre?
Eu, por mim, sei muito bem o que é uma família. E é muito mais do que um par de enamorados. Mas que venham então os inevitáveis cerimoniais de união entre homossexuais, consumados no Salão Nobre da câmara, ou num cartório mais próximo, com o Dr. Costa e a Dra. Brito como padrinhos. É o preço de 4% do eleitorado na vertigem da corrida ao município. Para mim dou isso de barato, desde que a canalha jamais entre em minha casa a pôr e a dispor. Falo dos novos jacobinos, obviamente, não dos homossexuais, que esses não têm culpa nenhuma de tanta hipocrisia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 17:30

Domingo, 17.06.07

Domingo

Evangelho segundo São Lucas 7, 36-50

Naquele tempo, um fariseu convidou Jesus para comer com ele. Jesus entrou em casa do fariseu e tomou lugar à mesa. Então, uma mulher – uma pecadora que vivia na cidade – ao saber que Ele estava à mesa em casa do fariseu, trouxe um vaso de alabastro com perfume; pôs-se atrás de Jesus e, chorando muito, banhava-Lhe os pés com as lágrimas e enxugava-Lhos com os cabelos, beijava-os e ungia-os com o perfume.
Ao ver isto, o fariseu que tinha convidado Jesus pensou consigo: «Se este homem fosse profeta, saberia que a mulher que O toca é uma pecadora». Jesus tomou a palavra e disse-lhe: «Simão, tenho uma coisa a dizer-te». Ele respondeu: «Fala, Mestre». Jesus continuou: «Certo credor tinha dois devedores: um devia-lhe quinhentos denários e o outro cinquenta. Como não tinham com que pagar, perdoou a ambos. Qual deles ficará mais seu amigo?». Respondeu Simão: «Aquele – suponho eu – a quem mais perdoou». Disse-lhe Jesus: «Julgaste bem». E voltando-Se para a mulher, disse a Simão: «Vês esta mulher? Entrei em tua casa e não Me deste água para os pés; mas ela banhou-Me os pés com as lágrimas e enxugou-os com os cabelos. Não Me deste o ósculo; mas ela, desde que entrei, não cessou de beijar-Me os pés. Não Me derramaste óleo na cabeça; mas ela ungiu-Me os pés com perfume. Por isso te digo: São-lhe perdoados os seus muitos pecados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco se perdoa, pouco ama». Depois disse à mulher: «Os teus pecados estão perdoados».
Então os convivas começaram a dizer entre si: «Quem é este homem, que até perdoa os pecados?». Mas Jesus disse à mulher: «A tua fé te salvou. Vai em paz».

Da Bíblia Sagrada

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:27

Sábado, 16.06.07

Nomes e apelidos

Por conveniência social, desde pequeno me habituei a um atitude de prudente discrição quanto aos meus apelidos e ascendência. Sempre promovi o meu nome de baptismo como prioritária forma de tratamento, para uma mais sã sobrevivência numa sociedade de ressentida bimbalhada ou provincianos bajuladores. Precocemente contactei com esta “mui republicana” cultura, por ocasião da minha passagem pela cinzentíssima escola primária da câmara onde adquiri uma epidérmica embirração ao tratamento pelos apelidos. Não raro o meu nome se tornava alvo de jocosas ou imbecis provocações, as mais das vezes algo antipáticas e subtis agressões às quais (por força das instintivas defesas) rapidamente me tornei indiferente. Curioso é constatar que os preconceitos provinham mais comummente dos zelosos e cinzentos funcionários do regime, (professores ou contínuos) do que das cruéis criancinhas com quem eu ombreava em busca de um lugar ao sol, se possível a jogar à bola.
Vem esta conversa toda a propósito de uns comentários (nem sempre censurados) que têm surgido ultimamente, pretendendo que o nome do Sebastião José seja motivo de chacota para mim, um simples Távora. Então, permitam-me por uma vez abordar aqui questões de genealogia, ciência de que percebo pouco, mas o suficiente para saber que possuo tanto sangue Távora quanto Carvalho e Melo. Para isso bastou o casamento dos meus pais. Para não ir falar de outras mais antigas ligações entre as duas casas (a celebre história do "Bichinho de Conta"). De resto, quanto às ditas provocações, apetece-me dizer que pior que o mau gosto, só mesmo a ignorância.
De resto, talvez se os portugueses dedicassem tanto tempo a conhecer descomplexadamente a história da sua família, a sua "primeira tribo", quanto a bisbilhotar ressentidamente a vida dos outros, fosse a maneira de evoluirmos como povo. A auto-estima constrói-se com a pertença e o conhecimento, não com a ignorância ou efabulação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por João Távora às 20:04

Sábado, 16.06.07

A agenda da história – quem a conhece?

Discordo da suposta tendência contemporânea para a poligamia, referida pela Cristina Ferreira de Almeida aqui em baixo, já que essa característica parece-me ser antes uma ancestral genética e cultural tendência humana. Esta propensão poligâmica foi sempre ao longo da história mais ou menos regulada, mais ou menos reprimida. Agora, já concordo que, circunstancialmente, a cultura anarco-liberal vigente, vem, de há algumas décadas para cá, metodicamente destruindo os mecanismos e instituições de auto-regulação. Tudo isto em nome duma pseudo liberdade individual, com que se promove uma global anarquia de costumes, sempre em favor do mais forte, das relações de consumo, em ordem à satisfação imediata do instinto (mais ou menos) predatório e egoísta do individuo. Estas são actualmente as forças motrizes da nossa civilização (aliás nada republicanas – não há gente mais puritana do que os republicanos de gema) que receio cedo entre em retumbante decadência.
Quanto à agenda, concordo que a questão do regime para já não tem grande cabimento. Mas por mim, e por muitos outros monárquicos que conheço, mais à esquerda ou mais à direita, por puro patriotismo e amor à causa, não deixaremos de espreitar uma hipotética oportunidade de questionar o regime... que manchado de inocente sangue, foi implantado pela força da baioneta e da tirania. E vai festejar (?!) cem anos. Não tarda nada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:56

Sexta-feira, 15.06.07

A Abelha e a Barata

O que distingue a Abelha da Barata?
.
  • A Barata diante de um campo de flores e um montinho de lixo, escolhe o montinho de lixo.
  • A Abelha diante de um montão lixo e uma flor, escolhe a flor.

Publicado por Adélia e Zala aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 15:27

Sexta-feira, 15.06.07

Precioso silêncio, preciosa música

É comum nos dias que passam, nos escritórios, estabelecimentos ou transportes públicos, encontrar o pessoal ouvindo toneladas de megabites de musiquitas e cançonetas de “fones” nas orelhas ou simplesmente em regime de partilha forçada. Questiono-me então o que faz esta gente quando porventura desejar verdadeiramente o deleite de escutar música. Teve o desejo tempo de medrar, sem o espaço de um precioso silêncio? O que é que se está a “tapar” na alma quando se perde a capacidade de ouvir o silêncio?
Pensando bem, se conseguir uma oportunidade, este fim-de-semana ainda vou sentar-me em frente às colunas a ouvir rodar... o Concerto para Violino de Beethoven (que o meu pai considerava o melhor deste compositor) e... numa onda revivalista, o álbum Magical Mystery Tour dos Beatles. A ver se dá!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por João Távora às 10:16

Quinta-feira, 14.06.07

Ao “inenarrável” Daniel


Mais patético que os Amigos de Olivença, só mesmo a arrogância do Sr. Oliveira a escrever as suas bacoradas (ou pior, quando as vai dizer para o mais frouxo e idiota programa de televisão existente). Ao pretender insultar o que ele apelida demonárquicos militantes definitivamente o homem não (se) enxerga. Um deles, cuja craveira intelectual e humana é inquestionavelmente superior à sua (o que, pelas provas conhecidas não é difícil) é o seu correligionário, o venerando arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles. E ficamos por aqui para evitar mais melindres.
.
Imagem "fanada" daqui onde diz que veio daqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 11:23

Quarta-feira, 13.06.07

Olhar à direita

Obrigatória uma atenta leitura à Alameda Digital, na sua mais recente actualização temática onde se ensaia um interessante dossier sobre a Direita e as Direitas. Para este tema contribuem as abordagens de Jorge Ferreira, Como eu entendo a direita necessária; Jorge Azevedo Correia, A vitória do centro à direita; Marcos Pinho de Escobar, A Direita “mole”; Manuel Azinhal, A direita que não quer ser; Eduardo Freitas da Costa, A direita nunca existiu; Abel Morais, Cinco notas políticas sobre a direita em Portugal; Miguel Freitas da Costa, Direita nunca existiu, Jorge Azevedo Correia, Sobre direitas, esquerdas e a emergência de um critério; Simão dos Reis Agostinho, Ideologia e verdade; Rafael Castela Santos Direitas …à la gauche, Pedro Guedes da Silva Notas avulsas e direitas polémicas; e finalmente umas belas pistas para a genealogia da Direita Portuguesa por Miguel Castelo Branco, A Direita portuguesa uma direita "britânica"? . Por mim, esta tarde vou andar por aqui. Até logo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 16:12

Domingo, 10.06.07

Blacksad - bestial

A Banda Desenhada (BD) não morre assim. Por mais que esta actividade aparente uma lenta decadência, e para os mais distraídos se resuma a umas marginais experiências pseudo-intelectuais, às tiras de jornal ou às revistas de consumo rápido. O facto é que com um pouco de atenção encontraremos nos escaparates das livrarias interessantes obras que em nada desmerecem os clássicos que fizeram da 9ª uma das grandes artes do século passado.
Hoje escrevo sobre Blacksad, um sombrio mas inteligente detective privado, com cabeça de gato, que se move num animalesco ambiente decadente e urbano. Contracenam neste palco personagens com faces de animais em corpos humanos. Esta particularidade torna-se quase subtil: cada animal representado sem dúvida exprime dramaticamente o carácter do personagem... em que quase sempre se exceptuam os personagens femininos, que talvez para imprimir maior carga erótica mantêm os traços faciais mais humanos... sexismo?!
Na BD, tão importante quanto a técnica do desenho, é a arte de contar uma história. Em Blacksad, o encadeamento do guião e dos desenhos, é vivo e ritmado, possuindo uma interessante profundidade dramática. O sucesso da obra é plenamente alcançado pelos espanhóis Juan Díaz Canales (texto) e Juanjo Guarnido (desenho), ambos com os estúdios Disney no curriculum.
Para os amantes do género, aconselho que se deixem surpreender por Blacksad, uma divertida e envolvente série publicada em Portugal pelas edições ASA, claros sinais de boa saúde da 9ª arte. E ainda faltam umas horitas para o fecho da feira do livro... no Parque Eduardo Vll.
.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por João Távora às 20:08

Domingo, 10.06.07

Domingo

Evangelho segundo São Lucas 7, 11-1

Naquele tempo, dirigia-Se Jesus para uma cidade chamada Naim; iam com Ele os seus discípulos e uma grande multidão. Quando chegou à porta da cidade, levavam um defunto a sepultar, filho único de sua mãe, que era viúva. Vinha com ela muita gente da cidade. Ao vê-la, o Senhor compadeceu-Se dela e disse-lhe: «Não chores». Jesus aproximou-Se e tocou no caixão; e os que o transportavam pararam. Disse Jesus: «Jovem, Eu te ordeno: levanta-te». O morto sentou-se e começou a falar; e Jesus entregou-o à sua mãe. Todos se encheram de temor e davam glória a Deus, dizendo: «Apareceu no meio de nós um grande profeta; Deus visitou o seu povo». E a fama deste acontecimento espalhou-se por toda a Judeia e pelas regiões vizinhas.

Da Bíblia Sagrada

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 12:31

Domingo, 10.06.07

História de algibeira (23)

Dia de Portugal
.

A nossa bandeira ao tempo de Luís Vaz de Camões.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 00:30


Pág. 1/2




Sobre o autor

João Lancastre e Távora nasceu em Lisboa, que adora. Exilado no Estoril, alienado com política e com os media, é sportinguista de sofrer, monárquico, católico e conservador. No resto é um vencedor: casado, pai de filhos e enteados, é empresário na área da Comunicação e do Marketing. Participando em diversos projectos de intervenção cívica, é dirigente associativo e colabora em vários blogues e projectos comunicação política e cultural.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Instagram

Instagram

calendário

Junho 2007

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930