Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

João Távora



Sexta-feira, 30.01.09

Incontornáveis papéis

 


 Em matéria de informação, continuo fiel consumidor de notícias em papel, apesar de lhes dedicar cada vez menos tempo, disperso que estou com a Internet e os blogues. Não falando de livros, coisa que daria outra crónica, lá em casa, entre a sala e os quartos, passando pelo WC até ao “ecoponto” instalado na cozinha, alastra constantemente uma assustadora praga de papéis. Ele é revistas de decoração e catálogos de moda, jornais desportivos, diários, semanários, encartes, suplementos e revistas, especializadas ou generalistas. Para bem da paz doméstica o fenómeno é aceite pelas partes, apenas requerendo alguma gestão, por forma a salvaguardarmos a estética e a liberdade de movimentos, também ameaçada pelos brinquedos dos mais pequenitos, que têm vida própria e se espalham pelos sítios mais incríveis - os brinquedos, entenda-se!

De resto o esquema está montado, foram-lhes instituídos prazos de validade: os gratuitos valem por uma viagem (nem lá chegam a entrar), os semanários morrem ao domingo à noite, os diários duram até à manhã seguinte, os desportivos caducam ao almoço e as revistas aguentam uma semana. Para mal dos meus pecados estão por definir os prazos de validade dos magazines de decoração e alguns sofisticados catálogos de que a minha extremosa patroa é fã. Estas publicações acabam invariavelmente por perdurar meses na sala a ofuscar os meus belos e majestosos livros de mesa de que tanto me orgulho. Enfim, unidos pelo gosto de ler, lá assumimos essas irresolúveis questiúnculas, sem as quais já não saberíamos viver.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 15:15

Sexta-feira, 30.01.09

Cada um tem as cabalas que merece...

Só pode ser uma ignóbil conspiração: desde sempre que no escritório me calha o agrafador sem agrafes, a maquina do café sem água, e a fotocopiadora sem papel. Principalmente se estiver com pressa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 15:11

Quinta-feira, 29.01.09

A crise da crise da crise

Com o inesperado exacerbar das suspeitas de envolvimento José Sócrates no caso Freeport, para mais "importadas" duma missiva do “mundo civilizado” de onde não se conhecem as queixas ao funcionamento da justiça, parece-me que o nosso primeiro ministro fica definitivamente fragilizado para os desafios que a trágica conjuntura económica promete. Com ou sem eleições antecipadas, o problema dele agora é o de enfrentar uma inglória luta contra o tempo da justiça, na perspectiva duma sua clara ilibação a tempo de disputar as eleições.

Bem sei que eles nos queriam a todos, do Minho ao Algarve, a discutir o casamento dos homossexuais entre copos de Gin Tónico, de preferência no Bairro Alto ou na 24 de Julho. Mas o problema do país é outro, é o da crise Freeport, que acontece sobre uma grave crise financeira, sobreposta à nossa crónica crise estrutural, arrastada por muitos governos, quase todos tão socialistas como ineficazes.

Creio que o descrédito dos portugueses nos políticos e nas suas instituições bateu no fundo. Assim, não antevejo saída deste lamaçal que não passe por uma regeneração profunda ao sistema, um projecto patriótico de Salvação Nacional que com autoridade resgate os seus principais protagonistas – os portugueses.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 16:13

Quarta-feira, 28.01.09

Regresso

O Paulo Pinto Mascarenhas, não resistiu a umas semanitas de ausência da blogosfera e está de volta com um novo blogue, o ABC do PPM. Seja então bem vindo e boa prosa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 17:10

Quarta-feira, 28.01.09

Reanimar a economia...

Aos que esforçadamente vêm economizando precavendo os dias piores: por favor comecem a gastar - esses dias chegaram!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por João Távora às 14:20

Terça-feira, 27.01.09

já que não nos toleram o referendo...

Uma sondagem sobre a forma de regime decorre  aqui. VOTE.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 21:40

Segunda-feira, 26.01.09

Portugal em questão

Para gáudio de muitos o circo da política chegou aos píncaros no fim-de-semana que passou, com José Sócrates a fritar em fogo lento sob o crepitar das informações sobre o caso Freeport.

Não fora o estado caótico do regime, que potencia estes fenómenos de suspeitas e de escândalos cirúrgicos, conjugado com uma crise económica de consequências incalculáveis, o caso até podia ser interessante, para quem como eu não gosta da matriz ideológica do governo.

O problema é que estes acontecimentos reforçam a ideia que há tempos venho afirmando, da necessidade urgente de uma profunda regeneração do regime e das suas instituições, que redima a sua imagem e a sua eficácia. Para que a política saia do atoleiro e volte a atrair as elites, gente de valor, e assim consiga mobilizar as pessoas para um projecto de salvação nacional.

Porventura sou um ingénuo: os países pouco desenvolvidos só se regeneram à bordoada e é suposto degradarem-se continuamente nas presas dos oportunistas de ocasião até que o regime caia de podre. O que nos obriga a recomeçar sempre do zero, às mãos de perigosos aventureiros. Tem sido essa a  nossa sina há duzentos anos para cá.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 16:30

Domingo, 25.01.09

ShopPINg


 


Passei hoje pelo Beloura Shopping (vizinho do gigante CascaiShopping) e a minha mulher comentou que quando lá entrara pelo Natal tinha encontrado um panorama desolador, com as lojas quase todas fechadas. O facto é que o projecto, hoje com sete anos de existência, sempre me pareceu condenado ao fracasso por falta de mercado. Aliás desconfio que o Beloura Shopping, mais um caso exemplar do “empreendedorismo nacional”, tenha sido considerado um Projecto de Interesse Nacional – PIN.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 21:21

Domingo, 25.01.09

Na corrente

Duas honrosas nomeações, (do João Carvalho do Delito de Opinião e do Samuel Paiva Pires do Estado Sentido) precipitam-me por uma inevitável "corrente" blogosférica, obrigando-me à selecção de quinze blogues da minha preferência. Esta escolha reflecte diferentes critérios - amiguismo e estado d’ alma incluído. O certo é que a estes, visto-os com gosto e frequência:


 


O Insurgente

Portugal dos pequeninos 


Nem tanto ao mar


Nocturno


Mar Salgado


Hole Horror


Estado Sentido


Pedro Rolo Duarte


Delito de Opinião


Corta-Fitas


Bic Laranja


A Origem das espécies


Tomar Partido


Da Literatura


31 da Armada


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 19:43

Sábado, 24.01.09

Margarida


Veio ao mundo na lezíria,  sã e esganiçada, (...) disposta a mandar abaixo o Sócrates e sus muchachos...


 


Parabéns à Cristina Branco e ao nosso Tiago!


 


PS. Com três quilos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 19:33

Sexta-feira, 23.01.09

Ao nosso Paulo Cunha Porto

O Senhor é meu pastor: nada me falta.

Em verdes prados me faz descansar

e conduz-me às águas refrescantes.

Ele reconforta a minha alma.

 

Ele guia-me por caminhos rectos, por amor do seu nome.

Ainda que atravesse vales tenebrosos,

de nenhum mal terei medo

porque Tu estás comigo.

A tua vara e o teu cajado dão-me confiança.

 

Preparas a mesa para mim

à vista dos meus inimigos;

ungiste com óleo a minha cabeça;

a minha taça transbordou.

 

Na verdade, a tua bondade e o teu amor

hão-de acompanhar-me todos os dias da minha vida,

e habitarei na casa do Senhor

para todo o sempre.

 

(Salmo 23)

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 22:12

Sexta-feira, 23.01.09

O que ela quer sei eu!

A cronista do regimento está preocupada com o silêncio generalizado à volta da moção ao congresso de Sócrates sobre o casamento dos homossexuais. E manda o recado, provocador e veemente aqui. Pois a mim parece-me que, dos partidos aos movimentos cívicos, passando pela blogosfera “excitada” (na qual eu me incluo), já toda a gente proclamou copiosamente as suas opiniões. Foi há bem pouco tempo, há três meses, se bem se lembra a D. Fernanda, aquando da votação dos projectos de lei do Partido Comunista e do Bloco de Esquerda, aquelas que o partido do seu Sócrates rejeitou. De resto, a Senhora jornalista terá que admitir que para as pessoas normais, (sim, normais!) é uma canseira andar-se constantemente a discutir as mesmas coisas, nomeadamente as suas causas e manias, sejam elas fracturantes, sejam elas de consciência ou de falta dela. Não seria um acto de puro patriotismo, um serviço à comunidade, se se promovesse um voto de silêncio sobre o assunto até à próxima legislatura? É que até lá, centenas de milhares de portugueses responsáveis estarão mais preocupados em saber como conservar os seus empregos ou as suas empresas. Até chegar o diploma da senhora Câncio à Assembleia, os portugueses viverão oprimidos e estrangulados pelos impostos dum Estado monstruoso e insaciável. Suspeito que por causa disso, a notícia, a agenda, a breve trecho irá falar de sobrevivência...  das pessoas e do regime, continuamente incapaz de se reformar, de se regenerar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 16:51

Quinta-feira, 22.01.09

Elogio às rotinas

Sou uma pessoa basicamente indisciplinada, logo bastante desorganizada. Quando era miúdo, lembro-me bem, só não perdia a cabeça porque ele me estava agarrada. E assim se manteve até hoje nem sei bem como. Nessa altura a minha carola voava, voava. Sempre fui um sonhador, um idealista, com traços de meio poeta. Focado numa qualquer paixão de circunstância, perdia-me facilmente. Estas características cedo me guiaram ao caos. Até ao liceu não me lembro de ter agendado um teste e estudado a fundo o que fosse. Cada vez que tinha um, era um susto apavorante  ao entrar para a aula. As minhas notas eram imprevisíveis. Era capaz do melhor e do pior. Vesti muitas meias desemparelhadas, perdi documentos importantes, cadernos, livros; e até deixei a minha mochila viajar sozinha de autocarro até ao Bairro Madre de Deus. Chegado ao auge da adolescência, com as experiências inerentes ao estatuto, com as borgas mais ou menos surrealistas, o caos chegou aos píncaros. Por essa altura experimentei uma precoce e traumática experiência laboral, como paquete de uma conhecida empresa de promoção de torneios desportivos. Resultado: depois de várias broncas e humilhações descobri que só havia uma maneira de sobreviver no mundo concreto e cruel: pousar os pés no chão. Foi duro e levou muito tempo.

Hoje, passada a tormenta, considero-me um homem feliz em grande parte graças à disciplina que afincadamente cultivo e aos muitos rituais a que sou fiel. Hoje, deixo o telemóvel no mesmo sítio todos os dias. A carteira só por uma catástrofe não estará no sítio certo. Doeu muito mas hoje sou surpreendentemente metódico, quase como um computador - a descoberta da informática foi determinante para a minha organização: o meu telefone e computador apitam sincronizados quando tenho ginásio ou uma reunião. Alertam-me quando um familiar ou amigo faz anos - desta forma ainda não falhei um aniversário de casamento. Raras vezes chego atrasado a algum sítio: com o tempo aprendi a dominar o tempo. deito-me a horas e levanto-me com as galinhas, pontualmente com um delicioso café. Com os múltiplos deveres familiares e um trabalho exigente e cansativo, levo afinal uma vida bastante previsível. Quando faço uma noitada fico dois dias doente: à meia noite transformo-me numa sensível abóbora.

Hoje sou o mais certinho dos seres vivos. Convicto e sem arrependimento: promovo animadamente variadas rotinas e rituais, como se fossem as linhas e as margens de um caderno onde escrevo a minha vida. Que inspiram e suportam um projecto de vida e a minha liberdade... Que me permite fugir à rotina e até falhar a algum importante ritual. 

 


Texto reeditado

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 17:44

Quinta-feira, 22.01.09

Um monte de sarilhos...

 








 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por João Távora às 11:36

Quarta-feira, 21.01.09

Contra a mitomania

Eisenhower quando questionado por um jornalista quais os obstáculos ao seu mandato que mais temia, terá respondido: “as circunstancias”. (João Pereira Coutinho ontem à noite na SIC notícias, no papel de desmancha prazeres).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por João Távora às 11:11


Pág. 1/3




Sobre o autor

João Lancastre e Távora nasceu em Lisboa, que adora. Exilado no Estoril, alienado com política e com os media, é sportinguista de sofrer, monárquico, católico e conservador. No resto é um vencedor: casado, pai de filhos e enteados, é empresário na área da Comunicação e do Marketing. Participando em diversos projectos de intervenção cívica, é dirigente associativo e colabora em vários blogues e projectos comunicação política e cultural.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Instagram

Instagram

calendário

Janeiro 2009

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031