Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

João Távora



Terça-feira, 30.06.09

Irresponsabilidade

Ao que parece não haverá vencedor do campeonato de Juniores em futebol cujo jogo decisivo se disputava em Alcochete no Sábado passado, quando uma trupe de fanáticos invadiu o recinto à pedrada interrompendo o desafio. Duvido que os delinquentes que originaram esta insólita situação saibam tirar ilações da salomónica consequência.  Também me parece lamentável o branqueamento da transgressão por parte da comunicação social em geral: será que os seus interesses comerciais impedem a identificação do grupo de energúmenos que despoletaram a situação?
Não menos deploráveis são as declarações de Rui Costa justificando o sucedido por causa da suposta falta de condições da Academia de Alcochete para o jogo: uma reles artimanha retórica com o intuito de desresponsabilizar os selvagens que impunemente atacaram à pedrada as bancadas do estádio. Neste caso a irresponsabilidade tem uma face.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por João Távora às 12:19

Domingo, 28.06.09

Paz à sua alma, e para a nossa também

Assumido consumidor de música pop, reconheço com bonomia o lugar reservado na história à generalidade dos temas e actores desta efémera arte: o saudável esquecimento. Michael Jackson foi um produto de uma afinadíssima máquina de marketing e os seus atributos circenses jamais me comoveram por ai além. Quanto às suas inevitáveis cantigas, essas sempre me pareceram criações musicalmente grosseiras. Talvez por isso não deixe de me provocar algum espanto o ribombante efeito mediático da morte deste artista agora elevado aos píncaros do Olimpo. Para gáudio do ávido "público", que é quem mais ordena, sirva-se-lhe então um mito inspirador. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 23:28

Quinta-feira, 25.06.09

A memória, os sons e as imagens

 

É como uma arrepiante viagem no tempo, ouvir o som desta flauta do Paleolítico Superior descoberta em escavações no sudoeste da Alemanha e que vem comprovar que a música já era uma prática cultural à cerca de 35.000 anos.
Salvo as devidas distâncias, é uma sensação parecida quando escutamos esta gravação do Big Ben em 1890 com que nos brindou o Miguel Castelo Branco no seu blog, no final do ano passado. A este propósito, li em tempos numa crónica de Eurico de Barros no DN que vários registos sonoros de D. Carlos e D. Manuel II foram “inadvertidamente” destruídos na Emissora Nacional na voragem do PREC. Uma dor d’alma...
Sei bem como uma imagem vale mais do que mil palavras, mas neste caso não me refiro à semântica, mas aos sons em “carne e osso”. Estranho como o comum das pessoas, na ânsia de fixar vivências e memórias, afinal vulgarizaram o registo fotográfico e tão pouco valorizam a memória sonora, cujas técnicas hoje são tão acessíveis: possuo fotografias da minha infância, de férias e festas familiares, mas não tenho meio de recordar a voz do meu Avô, apesar de ela me soar sólida na minha memória. E que tamanhos afectos não carregam as vozes e timbres com que convivemos diariamente? Quantas vezes não lamentei não ter um gravador à mão para registar algumas expressões e onomatopeias dos meus filhotes quando eram pequenos? Não é o som um testemunho tão rico quanto a imagem? 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 10:58

Quarta-feira, 24.06.09

Isto é só aqui a gente a falar... *

Vamos ser claros, Duarte: tendo em conta a matriz do eleitorado do PSD, um novo partido deveria chegar-se à Direita desimpedindo o espaço ocupado pelos socialistas. Como tenho repetido aqui, uma bipolirização do espectro partidário seria uma oportunidade para a regeneração da democracia: urge um espaço unitário de direita. Considero que ao fim de mais de trinta anos de “centro” a Direita merece uma oportunidade, como a que esteve para acontecer antes da demanda totalitária do 11 de Março de 1975 interromper uma formidável dinâmica de vitória patenteada pelos PDC e CDS que equacionavam uma aliança. Desde aí que a Direita foi amaldiçoada e erradicada do mapa da nossa peculiar democracia.

E depois caro Duarte, não deves temer a "questão liberal": no caso português, em que o estado pesa mais de metade do PIB essa é uma questão patriótica. Sabemos o que quase quarenta anos de planificação "socialista" tem causado, por exemplo, na administração do território e no património arquitectónico: sempre em benefício duns quantos apaniguados patos bravos. Suspeito que de uma coisa o povo se vem apercebendo: o “centrão” não regula bem.

 

* infelizmente...

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 13:02

Terça-feira, 23.06.09

Melomanias

Neste caso não concordo com o Henrique Raposo: Ravel compôs algumas das maiores estuchas contemporâneas, concertos para matraca e porta de elevador e coisas do género, mas eu considero o Bolero uma bela e emocionante obra, que conseguiu sobreviver ao excesso de exposição das modas. A ouvir, com o espírito propenso e com uma boa aparelhagem, onde nos possamos deleitar com os instrumentos que de forma  tão explicita e carnal exprimem as suas sonoridades e texturas, naquele ritmo quase hipnótico. De resto, Henrique, eu sou daqueles que se arrebatam com “mulheres difíceis” destas: os concerto nº 2 e 3 para Piano e Orquestra  de Rachmaninov levam-me aos píncaros. E também concordo com o seu avô: "Texaicov" é mesmo bom - macho e imperial. Decididamente como melómano sou um incurável reaccionário.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:05

Terça-feira, 23.06.09

Demagogia

A maior prova da ingovernabilidade deste país não provém das ferozes reacções corporativas, ou das mais extremistas manifestações sindicais. O terrível sintoma verifica-se quando os nossos governantes se sentam sorridentes nas conferências de imprensa, lado a lado com os empresários, usurpando-lhes dividendos pela criação de postos de trabalho. Como se a criação de emprego tivesse origem em altruísmos políticos ou nalgum sofisticado planeamento governamental, e não dependesse duma incontornável lógica de mercado. De resto, o povo bem industriado, saberá onde encontrar esses paternais governantes e exigir-lhes-há contas sempre que uma empresa fechar, falida ou deslocalizada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 15:58

Segunda-feira, 22.06.09

Da mediocridade

Os portugueses dizem à boca cheia que a culpa do seu atávico conformismo e da sua proverbial mediocridade é da inveja (dos outros), sentimento que pelos vistos (os outros) são especialmente atreitos.
Ora, quanto mais ambicioso é um desempenho, maior será a “reacção” alheia (inveja) e essa coisa até poderá causar algum incómodo ou inquietação.
É assim que, como profilaxia ao conflito, o português prefere então não fazer nada: é usual escutarmos lamentos dos derrotados, vítimas da inveja. O fenómeno, que  actua nos portugueses como se de uma praga se tratasse, amputa-lhes pela raiz a quaisquer resquícios criatividade ou ambição. O sentido de responsabilidade é a cedência final da vítima, vencida pelos envenenados olhares dos seus colegas,  adversários ou concorrentes.
Sendo "a inveja", como "o ódio" ou "o amor", um inevitável sentimento humano, transversal a todas as raças ou credos, pergunto-me afinal como agem os indivíduos de outros povos mais bem sucedidos, onde a iniciativa, o empreendedorismo ou a excelência são propósitos vulgares e por tantas vezes compensadores? Presumo que o que os distingue de nós é o pragmatismo e a coragem com que se empenham nos seus projectos, em contraste com a nossa proverbial pieguice e... o nosso medo, o mais perverso dos sentimentos. O medo é que nos tolhe: afinal somos é uma cambada de medricas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:54

Sexta-feira, 19.06.09

Refundar a Direita

Como já conversámos ontem ao jantar, caro Duarte Calvão, eu também refundava a Direita. As soluções actuais em torno do “centrão” estão gastas e estafadas: se bem me lembro, na última experiência governamental à direita, e perante as intenções reformistas manifestadas, o roído de fundo das corporações, dos sindicatos e comunicação social tornou-se ensurdecedor meia legislatura antes do que veio a suceder com José Sócrates, que não aproveitou o espaço que lhe foi dado. Assim, e tendo em conta a ingovernabilidade do país e o abismo para o qual caminhamos alegremente, eu considero que tarda o tempo de regenerar o sistema e da direita assumir finalmente uma face em Portugal. Uma coisa que passaria por juntar a direita Social Democrata com o CDS e quem mais se lhes quisesse aliar, liberais inclusive, num bloco unitário para a reabilitação da política portuguesa: o “centrão” está descredibilizado. De resto, caro Duarte, quanto "ao de César ou de Deus", não me parece que proteger os valores de defesa da vida e da família sejam opções unicamente religiosas. Para mais desconfio que a maioria dos portugueses tolera mal a libertinagem no ensino, as revoluções nos costumes, os histerismos fracturantes, e, last but not the least, identifica-se ou no mínimo respeita a Igreja Católica e a sua obra.  Acredito que este seria um bom desafio para abandonares o teu “espaço de afecto”, pois que um projecto deste calibre, teria que ter denominação própria e novas estruturas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 16:14

Sexta-feira, 19.06.09

Exames

De saída para o exame de físico-química, o meu miúdo adolescente acaba de aqui vir para se despedir (estou em casa doente), trajando uma exótica t shirt e um fato-de-banho comprido à surfista.  Espantado (convém na vida não perdermos esta extraordinária capacidade humana), interpelei-o sobre se aquela indumentária  não seria um pouco despropositada para o “acontecimento”, tendo o rapaz replicado que era normal e que dessa forma contrariava melhor o stress. Não que eu pense que ele devesse ir de gravata para o exame, mas sempre me parece que a nossa forma de vestir reflecte, não só o nosso estado d’alma, mas também a importância que damos às ocasiões. 
Perante a tácita anuência da mãe,  e não querendo eu perturbar o rapaz na sua “superstição” a poucos minutos da exigente prova, não insisti mais. Depois, a minha mulher explicou-me que já o tinha confrontado com o facto, e que ficara mais descansada ao tomar conhecimento que os colegas dele faziam o mesmo, alguns calçando chinelas de dedo. Enfim, o rapaz até se esforçou, e... quem sou eu para contrariar "o sistema”!

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 16:13

Terça-feira, 16.06.09

A premência do ideal monárquico

Para aqueles que de forma sobranceira me perguntam quais as motivações para esta minha teimosa militância pela monarquia, que aspirações me movem para tão exótica causa, tão incómoda e excluída da “agenda politica”, eu respondo que o faço por uma questão de responsabilidade: a responsabilidade que me cabe para com a continuidade desta “utopia” no seu sentido mais nobre: o sonho dum Portugal com futuro.
Conheço alguns ilustres “compagnons de route” que optaram por “congelar” o seu ideal monárquico, imbuídos dum pseudo-realismo e embrenhados na espuma dos seus projectos pessoais, políticos ou profissionais. Tenho pena: eu sei como é difícil apregoar esta ingrata causa que não favorece carreiras ou comendas. Reconheço que a mensagem embate numa implacável “agenda mediática” que emerge do espectáculo popularucho e da mesquinha contenda política, das conveniências corporativas e interesses imediatos.
Não nego a evidência de que hoje os grandes males que Portugal padece são profundos e estão a montante da questão do regime. Como em 1910 as instituições estão descredibilizadas e não funcionam. Os portugueses, habituados ao assistencialismo e pouco atreitos a responsabilidades, parecem conformados com um medíocre destino, cuja perspectiva não passa do amanhã. E temos a merdização do debate político, com a gestão da rés pública ao nível do chão.  Deste modo e dentro das minhas limitações, não prescindo de intervir de dentro do sistema em favor da minha comunidade e pelo futuro do meu país, com a liberdade que esta república me proporciona. Mas não me passa pela cabeça hipotecar as minhas mais profundas convicções.
Acredito profundamente na monarquia, na instituição real como a solução mais civilizada para a chefia dum Estado europeu e quase milenar como é o nosso. Num tempo de relativização moral, de fragmentação cultural e enfraquecimento das nacionalidades, creio mais que nunca na urgência duma sólida referência no topo da hierarquia do estado: o rei, corporização dum legado simbólico identitário nacional,  garante dos equilíbrios políticos e reserva moral dum povo e dos seus ideais. O rei, primus inter pares, é verdadeiramente livre e por inerência assim será o povo.
Sou modesto: espalhar a doutrina e "fazer" mais monárquicos é o meu único objectivo. Que floresça nas mentalidades o sonho duma nação civilizada e de futuro, ciosa da sua identidade e descomplexada da sua História. De resto, o seu curso é sempre imprevisto e, quem sabe um dia, num instante tudo poderá mudar.

 

Também publicado aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:19

Segunda-feira, 15.06.09

O "público" é quem mais ordena

Terminada esta curta sealy season de Junho, sobeja-me um comentário sobre as bisbilhotadas férias de Cristiano Ronaldo, e as cenas da vida privada  de Berlusconi que por estes dias assaltaram a minha pacata existência. Hoje é com excessiva facilidade que os "media" criam e destroem ídolos e vilões para todos os públicos: Ronaldo e Berlusconi, quais gladiador e césar, emergem da mesma decadente adolescentocracia em que falar de Clássicos é entendido como referência aos AC/DC.
Para devolvermos um pouco de horizonte à nossa civilização, não sei o que mais falta faz: se uma renovada Elite se um Povo que nela seja capaz de se rever.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:13

Sábado, 13.06.09

Rio Mira vai cheio e o barco não anda, tenho o meu amor lá na outra banda...

 

À beira do rio Mira, por estes dias as minhas preocupações resumem-se a comprar pão quente e o jornal pela manhã, às horas das sestas e das marés, aos marcadores entre as páginas dos livros, velar pelas criancinhas na piscina e barrar-lhes protector solar q.b.
É claro que em Portugal tarda a despontar um discurso consistente da direita pós-crise. E é muito redutor explicar "direita e esquerda" através duma gradação de mais ou menos “liberalismo". No caso português, "menos estado" é simplesmente uma questão de patriotismo.  Também não sei o que é que a importância da comunidade nacional, da recuperação do património, da preservação do ambiente, da protecção da vida familiar, da centralidade do sistema nacional de saúde, têm de “valores de esquerda” (antes pelo contrário!), mesmo que antipatizemos muito com José Cardoso Rosas - o que até é compreensível. O problema de remexer muito nestes pré-conceitos, é que "a coisa" era capaz de descambar na aniquilação das actuais oligarquias políticas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 19:43

Segunda-feira, 08.06.09

A grande chapelada 5

Uma vez mais tratou-se dum grande exagero a notícia da extinção do CDS, e por esse facto há que felicitar Nuno Melo e... Paulo Portas, apesar da direita dos valores em que me revejo possuir dificuldade em  identificar-se com o seu estilo populista. 

O facto é que nesta hora há que reconhecer o seu mérito: Paulo Portas conseguiu superar essa desconfiança à custa da sua proverbial  capacidade de trabalho que produz resultados na agenda política, desproporcionados à dimensão do partido.  Só me pergunto se isso chega para fazer crescer o partido: há em Portugal um eleitorado cristão conservador e humanista que, permanentemente ameaçado de orfandade partidária, triplica claramente o habitual meio milhão de votos do CDS. Tradicionalmente este eleitorado dá-se mal com aventureirismos liberais e fracturantes. Esse eleitorado só aguarda por um líder credível e carismático. E reparem como a valorosa Laurinda Alves anda por aí a desperdiçar energias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 17:52

Segunda-feira, 08.06.09

Não tenhamos ilusões

Mesmo que se confirme uma desejável viragem política nas próximas eleições legislativas, este país manterá um profundo problema de ingovernabilidade estrutural: um descrédito generalizado no regime e nas suas instituições, um estado paternalista e asfixiante, e uma congénita indolência dos portugueses.


Mudar este último paradigma é o verdadeiro desafio nacional: é em cada individuo que terá que se operar uma mudança de atitude, de empenho, que viabilize Portugal.  Os portugueses têm que acreditar que está neles a solução. Alguém sabe como?

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 16:21

Segunda-feira, 08.06.09

A grande chapelada 4

Para mim o que distingue um bom dum mau comentador politico, não é ser de direita ou de esquerda, ser ou ser não da minha cor politica: é a sua independência e erudição. Nesse sentido é sempre com grande interesse que oiço António Barreto. Para assistir a exercícios de retórica e propaganda bastam-me os políticos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 14:53


Pág. 1/2




Sobre o autor

João Lancastre e Távora nasceu em Lisboa, que adora. Exilado no Estoril, alienado com política e com os media, é sportinguista de sofrer, monárquico, católico e conservador. No resto é um vencedor: casado, pai de filhos e enteados, é empresário na área da Comunicação e do Marketing. Participando em diversos projectos de intervenção cívica, é dirigente associativo e colabora em vários blogues e projectos comunicação política e cultural.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Instagram

Instagram

calendário

Junho 2009

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930