Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

João Távora



Sexta-feira, 30.04.10

Estou a ficar velho...

 

Miguel Esteves Cardoso afirmava numa sua crónica dos velhos tempos que (cito de memória) o nosso envelhecimento evidencia-se quando somos confrontados com certas figuras típicas da nossa sociedade como polícias ou padres mais novos do que nós. É essa a sensação que me causa por estes dias ao observar personalidades políticas emergentes como Nick Clegg e David Cameron que simplesmente me parecem... garotos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 09:59

Quarta-feira, 28.04.10

A oportunidade de Alegre

 

Protestos Atenas

 

Não vejo como o Aníbal Cavaco Silva se consiga descartar dum inevitável assomo de Sentido de Estado (leia-se medidas impopulares) de José Sócrates mais agora que está restaurado um bloco de salvação nacional. Tendo em conta a vocação de protesto e anti-económica da Esquerda, a falência financeira do País vem cair como sopa no mel para Manuel Alegre que não deixará de aproveitar todo o sangue que vai correr. Fica só por saber que destroços então restarão da república de que ele afinal pretende a presidência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 15:41

Terça-feira, 27.04.10

Quem não se sente...

 

Tenho poucas razões para gostar de futebol e menos ainda para ser do Sporting: o verdadeiro amor a um clube, ao contrário do que nos querem impingir alguns betinhos pseudo-intelectuais, pouco deve à razão, tão pouco se fundamenta em atributos técnico-tácticos e menos ainda se inspira em preconceitos heráldicos ou cromáticos. A motivação dum adepto saudável é exclusivamente do foro emocional e prende-se mais a cegas paixões do que a nobres sentimentos: o que seria da competição e dos estádios de futebol sem uma distribuição mais ou menos equitativa pelos fãs de fortes doses de dor de cotovelo ou mais acima na cabeça? Uma tristeza.

Vem toda esta teoria ao caso por causa da ameaça que paira sobre os doridos cotovelos e cabeças de meio Portugal, a conquista do campeonato pelos lampiões que já não há quem os ature. O incauto leitor estará já provavelmente a julgar-me mal: até tenho uma boa capacidade de encaixe, quem vai à guerra dá e leva, e habituado estou eu a causas perdidas, tenho calos de lidar com doses razoáveis de frustração ou outros sentimentos mais rasteiros. O problema é que por baixo da casa onde eu moro está um bar de fervorosos lampiões que há meses vêm ameaçando as fundações do prédio com uma crescente e diabólica euforia e desumana gritaria. Com a ajuda do bom tempo começaram já a organizar grelhados na esplanada, tornando a atmosfera literalmente irrespirável: o palavrão ferve como num estádio e a berraria potenciada pela cerveja entra-nos casa adentro, ameaçando o ambiente de elevação que gostaríamos de manter numa saudável família de bem.
Podem imaginar os prezados leitores como foi a última experiencia do género: uma semana depois de levar com a maralha a festejar aos urros os golos do CSKA de Moscovo na final da taça Uefa, não consegui dormir com a farra que durou a noite inteira a festejar o título alcançado com Trapattoni. Perdi uma festa e ganhei uma ressaca.
Estamos hoje na iminência de mais um grave atentado ambiental. No Sábado passado, enquanto a maltosa exultava sordidamente no estádio da luz e pelas ruas de Lisboa e arredores, graças a um caridoso convite exilei-me em S. Carlos para enobrecer a minha alma perdida com Mozart e as Bodas de Figaro. Mas o caso pia mais neste fim-de-semana, principalmente no Porto onde o Benfica poderá sagrar-se campeão numa inédita e abominável humilhação aos Andrades. Para além dum blackout informativo fácil de empreender, eu ainda não arranjei um desterro condigno que me garanta sossego, não sei ainda como escapar… mas já não me faltam ganas para uma requintada vingança na próxima época.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 11:33

Segunda-feira, 26.04.10

Serviço público

 

Visite o roteiro interactivo com a informação essencial sobre a visita do Papa a Portugal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 15:00

Segunda-feira, 26.04.10

Boas notícias: há que procurá-las

 

Com o advento das novas tecnologias, das redes sociais e da comunicação interactiva, com a fragmentação das fontes tradicionais de informação, a oligarquia instalada vai tendo cada vez mais dificuldade de fazer passar a sua mensagem e catequizar: os jovens não vêm telejornais, não ouvem a telefonia e muito menos lêem os jornais tradicionais. Fazem pesquisa de conteúdos na Internet e servem-se de downloads de rubricas televisivas ou radiofónicas, conteúdos lúdicos ou informativos a seu belo prazer e numa lógica que escapa às grandes distribuidoras, comerciais ou institucionais. Por exemplo, há vinte anos teria sido impossível a grande parte dos jovens escapar, no todo ou em parte, às comemorações do 25 de Abril e respectivos rituais mediáticos promovidos pelos meios de comunicação de massas. Hoje o mundo está a mudar e no meio desta alucinante desagregação cultural o “Grande Irmão” vai tendo cada vez mais dificuldade a amestrar o “seu povo”.

Isto trata-se de uma tremenda oportunidade de sobrevivência para as Causas situadas nas margens da corrente oficial e um definitivo reforço da responsabilidade e protagonismo da sociedade civil e seus núcleos sociais como a Família. Difícil é ainda contrariar as pretensões doutrinárias mal disfarçadas nos currículos escolares que afinal a generalidade dos miúdos pouco se interessa e apreende. Mas isso é outro assunto.

 

Imagem daqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 13:57

Domingo, 25.04.10

Reprise

 

Devoção e água benta...

 

Passa hoje o trigésimo sexto dia de S. Vinticincodabril. As cerimónias e celebrações, como habitualmente, realizaram-se nos salões e templos do regime, onde foram entoados diversos cânticos revolucionários do século passado. As habituais solenes homilias foram proclamadas de norte a sul do país: as santas realizações da revolução foram recordadas entre lágrimas e suspiros nostálgicos dos mais devotos “democratas”.

A prédica mais esperada foi proclamada em S. Bento pelo presidente da congregação, que com as suas extraordinárias revelações e sábias advertências não desmereceu as expectativas dos fiéis.

As costumeiras procissões e desfiles saíram à rua, mas nota-se-lhes hoje menos brilho do que outrora, nos tempos áureos da função. Os consagrados estão envelhecidos e também já foram mais, mas no cortejo da avenida as suas preces e ladainhas continuam a fazer-se ouvir alto e bom som. Os mais crédulos ainda  cismam pelo prometido milagre do socialismo, multiplicação dos peixes a redenção e esperança do povo unido.

A esta hora, muitos pregadores regimentais ainda propagandeiam as suas profissões de fé sobre a insofismável felicidade popular conquistada às trevas da opressão pela revolução dos cravos. Já nos uns dias antes, nas escolas e liceus, os prosélitos mestres da história instrumental aproveitaram o ensejo e papagueiam uma tabuada de lugares comuns de uma história maniqueísta e instrumental para as suas sedentas criancinhas.

De tudo isto os "media" uma vez mais darão reverente testemunho de todas as celebrações e solenidades. Para uma pobre e conformada plateia que afinal tirou o dia de sol para ir passear...

 

Texto de 2008, revisto e reeditado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 15:37

Sábado, 24.04.10

Resistir, resistir...

 

 

Hoje em dia a coragem não está do lado do ex-sacerdote que perora contra a hierarquia, do casal homossexual a reclamar um Trifório exclusivo na catedral, da mulher que protesta o seu direito ao sacerdócio: bater na Igreja constitui uma auto-estrada para a fama e glória na rádio televisão ou jornais. Com um pouco de sorte alcançam um tacho sem concurso público ou uma promissora carreira de artista subsidiado.

Heróico, heróico, por estes dias é afirmar a castidade contra o consumo, o amor contra o hedonismo, perseverança contra o instinto, a "religação" contra o relativismo. Depois é resistir à chuva de pedras e escarros dos zelotas do pensamento único. É tempo de retornamos às catacumbas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:37

Sábado, 24.04.10

A educação do povo II

"É preciso ensinar às crianças o que foi o 25 de Abril. É urgente. É uma questão de cultura democrática. Está em causa... o 25 de Abril."
(…) Convenhamos que é difícil deixar ao sistema nacional de educação essa função. E isto porque o 25 de Abril ainda é uma questão de educação. Política, é certo, mas não está suficientemente frio para ser um facto histórico. É uma opinião. E cada um tem a sua, que até pode ser diferente da que tem a professora dos seus filhos.
Por isso é que chegados a esta época do ano, sinto alguma angústia quando os deixo na escola. Assim, sozinhos. Sem que eu possa exercer o democrático direito ao contraditório. Socorro!

 

Inês Teotónio Pereira no Jornal i

 

Depois de num dia de Outubro, a minha filha de oito anos ter chegado da escola cheia de confusões na cabeça, e eu lhe ter explicado pacientemente que Liberdade Igualdade e Fraternidade era um lema da sanguinária revolução francesa e não uma consequência da instauração república portuguesa, que a igualdade do cidadão perante a lei era uma conquista da constituição de 1826, quando em Portugal se funda o sufrágio popular que se manteve indirecto e se viu mais restrito após a república, que a liberdade de imprensa e de manifestação só foi profundamente ameaçada após o 5 de Outubro; foi a vez de ontem me ver na contingência lhe explicar as virtudes dos primeiros anos do Estado Novo e que a primavera e as calças de ganga já existiam antes da revolução dos cravos. Esclareci-a sobre o 25 de Abril, e suas consequências imediatas: tomada de poder da esquerda radical e descolonização desastrosa. E que nesses tempos muita gente inocente teve que viver “às escondidas”. Por fim expliquei-lhe que a Liberdade prevaleceu apesar dos revolucionários. E que a Liberdade é o nosso mais precioso bem, e que nem sempre está onde parece ser mais evidente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:35

Quinta-feira, 22.04.10

A revisão constitucional


Hoje ouvi de Ramalho Eanes, numa serena e cativante entrevista à Antena 1, um cliché, que por o ser, não deixa de ser tragicamente verdadeiro: o povo português é endemicamente pobre, condição que nos condenou ao longo da existência a menosprezar a História e a descuidar o Futuro, num desesperado apego à sobrevivência no imediato. Por causa disso os regimes e instituições nacionais foram incapazes de se regenerar por dentro, de perspectivar e construir o devir. Percorremos a História em círculos e aos repelões, em golpes e contra-golpes sempre recomeçados do zero. Hoje, só não vê quem não quer, caminhamos alegremente para o abismo, dependentes e incapazes de nos governar.

Acredito que uma séria revisão constitucional poderia ser o princípio de muita coisa. Talvez significasse que a experiencia tinha-nos ensinado qualquer coisa, mais importante que alguns atavismos e fetiches ideológicos que nos cingem há demasiado tanto tempo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:14

Quarta-feira, 21.04.10

Casar não é obrigatório

 


Na continuação da sua Jihad, o Diário de notícias titula hoje que 60% dos divórcios tem origem em casamentos pela Igreja: este é no meu entender um claro sinal da leviandade e dos equívocos com que muitos casais se abalançam para esse sacramento, muitas vezes por causa da tradição ou por mero apontamento folclórico. Claro que há divórcios e divórcios, a hierarquia deverá saber responder com mais agilidade a muitas situações dramáticas e concretas no seio das suas comunidades. A "anulação" canónica dum casamento é difícil mas possível: sei do que falo.

Sou daqueles que considera que, mesmo sob pena de provocar impopularidade, a Igreja deveria ser mais exigente com os casais a respeito dos pressupostos para este sacramento. Confesso que tenho muita dificuldade em entender o que é um “católico não praticante”. Se não pratica, se não aspira e exercita devotadamente a sua catequese em Cristo, não goza nem se fortalece com as Graças da fé: não é católico, ponto final. De facto, como referiu em tempos o Papa Bento XVI, nestes acirrados tempos de individualismo os católicos têm que se habituar a viver como resistente minoria. De resto parece-me definitivamente que casar não é obrigatório, muito menos pela Igreja.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 12:07

Terça-feira, 20.04.10

A campanha suja

 

O Diário de Notícias há muito que nos habituou a uma abordagem facciosa das informações sobre os assuntos fracturantes em geral e da Igreja em particular, submetendo-as sempre a pontos de vista marginais ou mesmo externos aos interesses da comunidade católica que insiste menosprezar. Essa linha editorial é tanto mais estranha quanto, em matéria de “Opinião”, o jornal demonstra um posicionamento pluralista, reunindo católicos praticantes como a Maria José Nogueira Pinto, Adriano Moreira, João César das Neves, Pe. Anselmo Borges, e também outros tantos cronistas cuja posição perante a Igreja é pacífica e de boa-fé.

Neste sentido constitui um profundo mistério as razões pelas quais este periódico instituiu como agenda uma abordagem editorial claramente contestatária e anticlerical. Pergunto-me se a posição é política ou comercial: suspeito que nestes dias do materialismo ridicularizar pessoas religiosas, padres, bispos e Papas renda popularidade, um atributo que raramente anda a par da seriedade.

Veja-se como nos dois últimos dias, dois artigos — ontem com a entrevista a dois padres casados contra o celibato (redigido pela Fernanda Câncio, uma «desinteressada» especialista na «matéria») e hoje um outro sobre católicos (?) homossexuais e contestatários — denunciam uma linha anticlerical, uma campanha a favor duma revolução no interior da Igreja de acordo com descartáveis cânones mundanos como o casamento homossexual. Certamente a receita mais eficaz para uma rápida extinção desta milenar instituição.

Suspeito que o fundamento da inquietação que muitos não crentes manifestam a respeito do celibato do clero, a ser tida como altruísta, esteja bem explicada na forma como a jornalista Fernanda Câncio titula o seu artigo: "E eles não viveram sós para sempre". Não sabem os pobres, que um verdadeiro cristão conquistou e usufrui da melhor e mais calorosa das companhias: Jesus Cristo. Acredito que essa é uma realidade muito difícil de entender para um descrente, quem sabe causadora de incómodos ressentimentos.

De resto, parece-me absurdo que, ao lado destas capciosas peças jornalísticas estejam colocados anúncios de merchandising de apoio à visita do Papa, que se subentende responsável máximo da instituição que se nos pretendem fazer crer como hedionda e criminosa.

Finalmente deixo um desafio: porque é que o Diário de Notícias não intercala estas “notícias” com outras, dando a conhecer a fundo a Igreja viva no terreno e a sua fé em Cristo que inspira milhares de pessoas de boa vontade a viver com harmonia e ajudar os outros?

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 13:07

Segunda-feira, 19.04.10

Incómodos como Cristo


Por estes dias os diligentes zeladores do "pensamento bom" urram quais virgens ofendidas com a tolerância de ponto concedida para a visita de Bento XVI no mês que vem. Desta vez, a brigada dos bons costumes, para além dos habituais prosélitos ateus, reúne em coro as duas grandes estruturas sindicais numa rara unanimidade de causas: a sacrossanta “igualdade” do laicismo, e imagine-se, uma burguesa e mercantil preocupação com a “produtividade”. Infelizmente, suspeito que uma paralisação dos serviços públicos em Portugal não belisque significativamente a criação de riqueza nacional, antes pelo contrário.

Eu sou daqueles que considera uma mera questão de higiene a redução aos mínimos essenciais o relacionamento entre o Estado e a Igreja Católica, como salvaguarda da instituição cristã que tanto prezo. E presumo que esta transigência do Estado para com os católicos, não reflicta mais do que uma atitude de bom senso, tendo em vista a prevenção de aspectos ligados à segurança e mobilidade dos cidadãos que desejem - ou não – bem receber em Portugal o sucessor de S. Pedro.

De resto, considerar de igual modo aquilo que é diferente constituiria sempre um grave erro de avaliação da realidade: para os portugueses, a visita do Papa não é a mesma coisa que uma visita do Dalai Lama. É que, apesar da assanhada cultura do hedonismo e superficialidade mediática que vivemos, o processo de descristianização da sociedade portuguesa ainda demorará umas quantas gerações, e remeter os católicos resistentes para as catacumbas não será do pé para a mão. Enquanto assim for, e os zeladores não optarem por politicas de repressão mais despóticas, terão de aguentar-nos assim: muitos e incómodos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 12:39

Sexta-feira, 16.04.10

Bullying Presidencial

 

Após Václav Klaus, presidente da República Checa, ter aproveitado a visita do seu homólogo Cavaco Silva para o achincalhar publica e insistentemente a respeito do deficit excessivo português, foi fechado o espaço aéreo com a justificação da nuvem de poeira vulcânica, prevendo-se que o nosso presidente permaneça lá retido por tempo indeterminado a matutar no assunto. A última alusão às más contas nacionais foi hoje de manhã num encontro entre empresários dos dois países em que Klaus fez humor da situação, confessando ter ficado muito surpreendido por Portugal não estar "nervoso" com o seu défice de oito por cento, aconselhando o seu homólogo português a não revelar que o desequilíbrio é superior ao da República Checa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 11:56

Sexta-feira, 16.04.10

Louçã, um exemplo de ética republicana

 

Bem prega Frei Tomás...

 

É publicada hoje no Diário de Notícias (não encontro o artigo online) uma elucidativa carta aberta de Paulo Teixeira Pinto a Francisco Louça sobre a sua atitude de se manter cobardemente escudado no estatuto Imunidade Parlamentar, após o ministério público o ter tentado constituir como arguido pela prática de crime de difamação. Assim o DIAP se viu obrigado a dar por encerrado o processo “embora se verifiquem fortes indícios da autoria do crime pelo Sr. Deputado Francisco Louçã” segundo despacho de 25 de Fevereiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 11:55

Quinta-feira, 15.04.10

Da intolerância e má fé


Nestes duros dias de despudorado achincalhamento aos católicos, “a Igreja absolve os Beatles” tem sido uma abusiva manchete glozada e abusada pela comunicação social e pelos jacobinos do costume. Este inusitado tema surge a propósito dum artigo publicado no L'Osservatore Romano em que o editor chefe da publicação, Giovanni Maria Vian, se afirma encantado com a música da mítica banda dos anos sessenta. Naquilo que considero uma clara demonstração de bom gosto, há uns meses atrás o mesmo jornal elegera "Revolver" como um dos dez melhores álbuns da história da música Pop e agora anuncia que as atitudes e declarações libertinas dos Quatro de Liverpool ocorridas nos loucos anos sessenta, são hoje águas passadas, e que o que permanece é um precioso legado artístico.
Para além da expressão dalguns legítimos protestos, afirmados à época por alguma hierarquia a propósito das provocações dos rapazes (principalmente John Lennon), a Igreja nunca teve nem poderia ter uma posição oficial sobre o assunto. Custa-me entender a má fé com que os media tratam este tema e quase tudo o que a Igreja Católica afirme: diga o que disser, uma coisa ou o seu contrário, essas afirmações, retiradas do seu contexto, são rapidamente julgadas queimadas na voraz fogueira do pensamento único.

A verdade é que naquele tempo até o meu saudoso pai, uma pessoa culta e criterioso melómano, contemporizava apreensivo, a forma apaixonada e insistente como o meu irmão e eu aderíamos à onda da beatlemania. Também ele acabou passados alguns anos por se render à fascinante criatividade musical dos quatro de Liverpool. O caso, é que a adolescentocracia instaurada não descansa enquanto não matar o pai. Essa é a razão porque o desafio à santidade proposto por Cristo, colocada ao lado do sacrossanto relativismo moral que desobriga o indivíduo da sua perene responsabilidade na História tende a ser mal interpretada. De resto, suspeito que a fogueira com que o mundo, intolerante, hoje queima a Igreja e as religiões em geral, há-de queimar muito mais à sua volta. Quem sabe a própria civilização.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 13:09


Pág. 1/2




Sobre o autor

João Lancastre e Távora nasceu em Lisboa, que adora. Exilado no Estoril, alienado com política e com os media, é sportinguista de sofrer, monárquico, católico e conservador. No resto é um vencedor: casado, pai de filhos e enteados, é empresário na área da Comunicação e do Marketing. Participando em diversos projectos de intervenção cívica, é dirigente associativo e colabora em vários blogues e projectos comunicação política e cultural.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Instagram

Instagram

calendário

Abril 2010

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930