Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

João Távora



Domingo, 30.01.11

Barulho do bom

 

 

Le Noise é a maturidade de Neil Young: oito desconcertantes temas directamente das suas entranhas, acompanhados só com guitarra, em que produção de Daniel Lanois faz sobressair magistralmente cada poro, cada textura, luz ou sombra de cada corda, timbre ou reverberação, eléctrica ou acústica. Le Noise é um abismo negro de humanidade, feita poesia, feita música, feita sumptuosidade. À venda em vinil e cd, com uma capa que em nada desmerece o miolo, este é um dos melhores trabalhos de sempre deste trovador canadiano, património do nosso século. Para ouvir na intimidade de sentidos despertos e o som bem alto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 19:59

Sábado, 29.01.11

Medo de sentir o medo

 

Fernando Castro, presidente da Associação Portuguesa das Famílias Numerosas, pai de 13 filhos e avô de 18 netos, hoje respondendo ao inquérito semanal de Pedro Correia no suplemento Gente do Diário de Notícias, afirma que “Não tem medo de nada”, sustentando-se numa máxima chinesa que diz ser “o medo é uma coisa dispensável, sobretudo depois de se ter descoberto que não serve para nada”.

Sem querer menosprezar a galhardia do entrevistado e muito menos a milenar sabedoria chinesa, permito-me discordar: o medo faz muita falta. O Homem fica sempre mais frágil quando rejeita os seus sentimentos. Exemplifico: é salutar tenhamos medo de atravessar o Marquês de Pombal pelo meio da Rotunda, ou a 2ª circular fora duma passadeira para peões. É salutar um pai ter medo de deixar o seu filho sozinho perto duma piscina. É normal termos medo de caminhar por um caminho às escuras. O medo das alturas pode salvar uma criança de cair da janela. E por aí a fora, muitos outros exemplos poderia eu dar.

De facto o medo é o principal inimigo da realização humana, e o maior adversário da liberdade individual; se por um lado potencia a inércia e a omissão, também acciona a violência mais irracional. Mas aquilo a que chamamos “valentia” significa uma de duas coisas: ou inconsciência, ou… o domínio sobre o medo. Para domina-lo é necessária inteligência para o racionalizar, ponderar e reconhecer os nossos limites.  A isso se chama sabedoria.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 20:34

Sábado, 29.01.11

As forças da reacção

 

Ao ouvir Pedro Marques Lopes ontem à noite na SIC Notícias em comovente comunhão com Adão e Silva a verberar com inusitada arrogância contra Paulo Portas, apercebemo-nos como o deslumbramento pelo poder pode cegar, fazer confundir o acessório com o que é essencial. O essencial é resgatar Portugal. Assim foi, a loira de Passos Coelho deu uma série de recados, enumerando uma série de lugares comuns, velhas teorias e tacticismos, da conquista do centro esquerda, e do perigo da direita, um argumentário que mais não pretende do que assegurar às hostes laranjas de que tudo permanecerá igual ao que sempre foi, acalmar as ávidas clientelas que há décadas encalharam o país num cinzento e profundo centrão.

Se os resultados das presidenciais nos indicam algo para além do óbvio, é que os portugueses anseiam por novas propostas, desacreditam profundamente no discurso tradicional dos partidos, vistos como meros sindicatos de interesses e divorciados dos cidadãos. É justamente esse sentimento que favorece, quanto a mim, a formação dum espaço de união não socialista, um movimento descomplexado e afirmativo de ruptura, que reúna uma inquestionável selecção das mais importantes figuras à direita do PS, num projecto de aliança eleitoral virado para a regeneração e rejuvenescimento da política e para a mobilização do país. Algo parecido com o desafio feito por Paulo Portas, que, há que reconhecer, desta vez está repleto de razão e oportunidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 11:46

Terça-feira, 25.01.11

Quem não se sente...

Concordo com Freitas do Amaral quando ontem dizia à Ana Lourenço na SIC Notícias compreender o discurso magoado de Cavaco Silva, ao contrário de Mário Soares que o condena. E como é agradável reencontrar estes dois velhos senadores da política lusa em contradição!

De facto o modelo de campanha ad hominem utilizado contra Cavaco, tirando períodos revolucionários da nossa história, não tem tradição na disputa política doméstica, desprestigia a politica, e de pouco me interessa que seja pratica corrente noutras paragens: a "merdização" do debate é autofágico e conspurca tudo à sua volta. De resto a magnanimidade reclamada a Cavaco no discurso de vitória pelos comentadores é hipocrisia pura: todos sabemos que Cavaco Silva ou outro qualquer não é de facto presidente de todos os portugueses. Se não querem saber da minha opinião, perguntem aos abrantes, às câncios e quejandos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 19:28

Segunda-feira, 24.01.11

Os limites duma quimera extremista

 

 

 

Se nestas eleições presidenciais há um claro derrotado, esse é o socialista Manuel Alegre, que reaparece cinco anos depois da sua romântica incursão, numa obtusa aliança de estrema-esquerda, obtendo menos trezentos mil votos. Se estas eleições presidenciais contêm uma boa notícia é a dos limites dessa linguagem, desatradamente acalentada por um PS na iminência de ser oposição: não colhe. Uma coisa é praticar esse extremismo experimental em meios recatados como blogues de arrastão, jugulares ou corporativos; outra é exibi-lo como bandeira eleitoral. Assim, parece-me que esta alegre hecatombe é fruto duma fuga do eleitorado moderado para o centro, enxotado para Cavaco, Fernando Nobre e para a abstenção. Os 830.000 votos resultantes desta coligação não são mais do que o tecto máximo da nossa esquerda radical. Daí que se compreenda que Louçã exulte de satisfação, e que isso até seja uma boa notícia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 11:50

Sexta-feira, 21.01.11

Much Ado About Nothing

A utilidade dum presidente da república é comprovadamente uma questão de fé, sentimento popular que será aferido no Domingo. Na segunda, com mais ou menos votos, Aníbal e Maria retornarão ao recato do seu palácio e o País à sua irremediável ingovernabilidade. Terminado o circo, resta aos artistas desmontarem a tenda, fazendo contas aos estragos. Os seus assessores e jornalistas retemperarão as forças com uma merecida folga complementar. A democracia, essa vai sendo cada vez mais uma palavra vazia, brinquedo duma casta sem escrúpulos que vem desbaratando o meu País por uma toleima e um prato de lentilhas. Que lhes pese na consciência é o meu ingénuo desejo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 17:44

Quarta-feira, 19.01.11

A minha utopia

 

 

Se é verdade que o analfabetismo, a iliteracia ou a ignorância não se reduzem por decreto, constituindo antes combate para muitas gerações; se é verdade que o desígnio da liberdade individual depende dum tanto quanto possível equilíbrio entre a auto-estima e conhecimento do indivíduo, não deveriam as elites do país de Abril pautar o seu discurso com muito mais modéstia? Verificando os disparates verberados na disputa política e a nossa proverbial incapacidade de mudar alguma coisa que se veja, leva-me a suspeitar que, como Povo, a distância cultural que nos separa duma “idade das trevas” não é substancial, o que nos deveria inquietar.

Acredito piamente que a redenção de Portugal está dramaticamente dependente duma democratização do saber, aprofundada por várias gerações. A nossa evolução civilizacional carece da generalização dum julgamento e arbítrio mais sóbrio e mais fundamentado, liberto tanto quanto possível de feridas recalcadas e preconceitos sociais. Quantas mais pessoas pudessem reconhecer a sua História e ascendência com orgulho, sem preconceitos ou complexos, mais livres seriamos para acreditar num futuro que todos somos chamados a construir com responsabilidade.

Libertar um Povo das amarras da ignorância e ensiná-lo pensar é tarefa para muitas gerações, que em Portugal começou tarde demais. Mas tal significa aliviar o país do predomínio da grosseria e do ressabiamento, o único caminho que vale a pena trilhar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 17:23

Domingo, 16.01.11

Sporting Clube de Portugal - quem lhe pega?

 

Posso ter-me enganado no meu voto em Bettencourt,

mas não me engano quando digo que nenhum dos seus detractores possui

aquilo que o Sporting realmente necessita: liderança e dinheiro, muito dinheiro.

 

Fui dos que votaram em José Eduardo Bettecourt, ao tempo aquele candidato que me pareceu a pessoa mais séria e capacitada para liderar o meu clube do coração. Enganei-me: hoje, mais por graves erros de imagem do que de gestão, decididamente não lhe sobrava mais espaço para resgatar o Sporting da grave crise estrutural em que se vem atolando desde o tempo de João Rocha. Acredito que foi ciente dessa realidade que se demitiu ontem ao final duma desgraçada exibição da equipa de futebol profissional.

Desconfio que a maioria dos sportinguistas ainda não se compenetrou da realidade que perpassa o nosso clube, de pouco valendo chorar o leite derramado ou os erros daqueles que, cada um a seu tempo, não conseguiram inverter a tendência de decadência desta instituição centenária. Se o futuro do Sporting depende, na avidez dos adeptos, de resultados desportivos imediatos, eu não lhe prevejo futuro nenhum, ao contrário confesso-me bastante apreensivo: daqueles que vêm fazendo oposição, de forma mais ou menos adequada, não vislumbro que algum possa oferecer ao clube aquilo de que ele precisa com urgência: liderança, e de dinheiro, muito dinheiro – nisso não me engano certamente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 22:42

Domingo, 16.01.11

Há outras maneiras de enfrentar a crise do que cortar as despesas

 

Ontem no programa A Torto e a Direito o professor Fernando Rosas, versando o tema do leilão da divida portuguesa para 2011, deixou escapar que os milhões a remunerar verdadeiramente não são divida “da economia”, mas sim aos "agiotas especuladores", declaração que se bem percebi não é mais do que um tímido ensaio para desculpa de mau pagador. Razão têm “os mercados” para temer emprestar dinheiro à república portuguesa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 22:42

Domingo, 16.01.11

O circo na cidade

Infelizmente não são muitos os debates televisivos que reflictam alguma seriedade nos argumentos e originalidade nas ideias. Isso tem a ver com o grau de independência dos protagonistas à agendas dos partidos. Ontem, num programa que costumo seguir com interesse, o A Torto e a Direito tinha como convidado especial o professor Fernando Rosas que na abordagem às eleições presidenciais conseguiu entornar a conversa subtraindo-lhe qualquer sombra de inteligência ou honestidade intelectual. Indisfarçável é o incómodo e a falta de convicção que nos transmitem as pessoas sérias a discutir um tema com tão pouco assunto. Como apelava o João Pereira Coutinho, "volvamos à realidade". Talvez daqui a uma semana.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 22:41

Sábado, 15.01.11

Tu que sabes e eu que sei, cala-te que eu me calarei

 

Oiço e leio todos os dias os opinadores encartados nas televisões constatarem que a campanha e os discursos não geram entusiasmo, divididos entre a demagogia dos candidatos que reclamam matérias fora do seus poderes, e os que se desculpam por não possuírem prerrogativas para intervir. O problema é que os analistas chegados a este ponto bloqueiam, não desenvolvem a partir daqui, quando seria lógico questionarem o regime. Porque tem um cargo simbólico como este de ser de sufrágio universal e directo? Porque não adoptar um modelo como o da Alemanha ou da Itália em que os elegem nos seus parlamentos? Porque não referendar a monarquia?

Mas recentrando-nos na questão principal: o que receiam os operadores da política (em que incluo os jornalistas) ao não debatem o modelo da Chefia de Estado e sua eleição? Será que receiam cuspir na mão que lhes dá de comer? É o medo da mudança?

O facto é que a monarquia constitucional e as duas primeiras repúblicas caíram de podres, não se adaptaram ou desenvolveram, com as trágicas consequências que conhecemos. Estamos fartos de saber o que não funciona... Até quando vamos continuar neste circo a fingir que tudo está bem

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 00:39

Sexta-feira, 14.01.11

A "sabedoria" popular

 

Ontem à noite vi na televisão uma estudante universitária a responder à repórter que acompanhava um candidato um chorrilho de asneiras sobre os poderes do presidente da república. Desconfio que este caso é somente a ponta do iceberg, o fenómeno de enorme alheamento da população face à realidade na qual seria suposto participarem com responsabilidade e empenho. É a democracia que temos, sustentada em equívocos, apatia e demasiada ignorância. Assim os políticos bem podem dizer os seus disparates ou omissões que poucos dão conta. Esta é a endémica causa do nosso endémico atraso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 23:40

Quinta-feira, 13.01.11

Presidenciais: o voto dos monárquicos

 

Anda pelo Facebook uma discussão acesa sobre a melhor atitude a tomar por um monárquico face às eleições presidenciais que se aproximam para a qual julgo convém imprimir alguma racionalidade.

1 - Votar: Nada impede moralmente um monárquico votar numas eleições presidenciais, quando na sua consciência mais altos valores se elevarem.

2 - O voto branco: esta opção presta-se facilmente à fraude.

3 - A abstenção: se esta for muito significativa pode (se os media e os agentes políticos assim o entenderem, o que não é liquido) colocar na agenda o tema da legitimidade do regime. Por outro lado este "não gesto" legítimo confunde-se com a irresponsabilidade dos comodistas ou alienados, não significando uma mensagem política clara contra a república.

4 - O voto nulo: tem a vantagem de explicitar um protesto contra o regime, no entanto contará como voto expresso com efeitos na eleição: deduzindo-se à abstenção obriga o vencedor a aumentar o score para a maioria.

Como em tudo na vida, não há uma receita "absoluta" e são legítimas diferentes opções, sendo que pela minha parte escolhi votar nulo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 16:32

Terça-feira, 11.01.11

O elogio da renúncia

 

O problema é que a nossa cultura individualista desacreditou o valor da renúncia, atitude individual sob a qual erradicam os mais preciosos equilíbrios, sob os quais assenta a sobrevivência duma civilização. Não há ética, ecologia, economia, família ou geração sem renúncia. A civilização ocidental vive fundada numa paradigmática fantasia, na ilusão de que o prazer individual é um recurso interminável e… exterior à pessoa. O mais grave, é que a democracia adoptou essa utopia como moeda de troca pelo poder, uma quimera que nenhum politico se atreve a por em causa.

Acontece que da guerra à relação, da ecologia à corrupção, tudo começa e acaba com escolhas e atitudes pessoais. Porque jamais se construirá um mundo bom sem pessoas boas. A construção de uma Família, duma Cidade ou dum Mundo harmonioso e habitável é um caminho estreito. Para um profundo prazer, sempre diferido feito de pacificação interior. Uma lógica toda ela inversa àquela que a cultura predominante nos quer fazer acreditar e que afinal nos impele para o abismo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 15:10

Domingo, 09.01.11

Show business

 

O apregoar desta campanha presidencial lembra-me a orquestra do Titanic freneticamente a tocar enquanto o navio abalroa na iminência do trágico naufrágio. No meio da aflição de alguns e da inconsciência de outros, os mais destacados passageiros da 1ª classe já acomodados nos salva-vidas, discutem de charuto na boca e conhaque na mão, se são contra ou a favor, se é justo ou injusto, o rombo que afunda o navio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 14:34


Pág. 1/2




Sobre o autor

João Lancastre e Távora nasceu em Lisboa, que adora. Exilado no Estoril, alienado com política e com os media, é sportinguista de sofrer, monárquico, católico e conservador. No resto é um vencedor: casado, pai de filhos e enteados, é empresário na área da Comunicação e do Marketing. Participando em diversos projectos de intervenção cívica, é dirigente associativo e colabora em vários blogues e projectos comunicação política e cultural.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Instagram

Instagram

calendário

Janeiro 2011

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031