Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

João Távora



Quinta-feira, 30.05.13

E por favor desliguem-me esse ar condicionado!

Às vezes tenho a viva impressão de que o meu País acaba à porta da minha casa, imanente na maltratada bandeira que desfraldámos e nos transcendentais valores em que nos reconhecemos. O meu Portugal é cada vez mais uma rede descontinuada de amigos, famílias e de símbolos onde o reconheço plasmado. O resto parece-se demais com um condomínio que dividimos e pagamos por mera necessidade e sentido prático.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:05

Domingo, 26.05.13

"Faz filhos"

A crónica desta semana de Rui Ramos no Expresso toca na ferida, foca aquele que é o grande pesadelo das sociedades democráticas liberais, que em Portugal se revela de forma bem severa: a crise na família tradicional, fórmula experimentada para o sucesso individual e civilizacional. O tema, como refere o autor, não é de fácil abordagem, mas é urgente a ousadia de o abordar sem tabus, e sob outro pretexto que não da sustentabilidade das pensões e da empregabilidade dos professores.

Observemos os factos: Os dados do INE indicam que o número casamentos tem diminuído 8% ao ano (12% no caso dos casamentos católicos), e que os divórcios têm registado um crescimento anual de 3% por cento. A ser assim, em 2012 haverá em Portugal 27 400 casamentos, contra os 49 178 de 2004 e 30 150 divórcios, ao invés dos 23 348 verificados em 2004. Da constatação da crise na família tradicional, contrapõe-se que desta dinâmica de "emancipação individual" brotaram conceitos alternativos de família, sempre exaltados pela nomenklatura do politicamente correcto. O problema é que esses modelos emergentes da “revolução cultural” se revelam totalmente estéreis, eu diria decadentes: Em 2012 em Portugal, o número de nascimentos caiu para menos de 90 mil, o valor mais baixo dos últimos 60 anos - 1982 foi o último ano em que houve substituição de gerações. Nesse sentido repito uma nota que aqui deixei há dias: a origem do decréscimo de nascimentos é de índole cultural e não se inverte com estímulos financieros do Estado. Por isso é que sou forçado a concordar com Tiago Cavaco citado por Rui Ramos na sua coluna: “constituir família é a suprema forma de rebeldia”. E os cristãos praticantes são a “real contracultura”. 

 

Título roubado do tema musical de Tiago Cavaco Faz Filhos, do seu mais recente álbum.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 11:29

Sábado, 25.05.13

Receitas de fim-de-semana

 

Num decilitro de azeite, fritam-se cogumelos frescos cortados ás fatias e alho picado em abundância. Mistura-se cerca de 100 gr. de bacon e 400gr de fiambre aos pedaços e deixa-se fritar numa caçarola. Quando a água dos cogumelos estiver quase desaparecida, junta-se molho inglês e uma pitada de pimenta branca e apaga-se o lume. Cozidos 500 gr de novelos de tagliatelle al dente em muita água, junta-se a massa bem escorrida ao preparado na caçarola onde esta vai saltear durante 5 minutos, com cuidado para não deixar queimar. Serve-se acompanhado com uma salada de alface, tomate e pedaços de nozes, temperada com sal, azeite e vinagre a gosto. As crianças podem acompanhar o prato com cola do Pingo Doce bem gelada, e os adultos com um vinho tinto reserva do Douro de 2009 do Mini-preço que é muito bom. Na primavera, uns morangos frescos com gelado de nata são um bom modo de acabar a refeição em festa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 17:45

Sábado, 25.05.13

Souvenir

 

Esta é uma gravação com mais de 100 anos de "Souvenir" de Franz Drdla, um encantador solo de violino interpretado pelo então jovem talentoso Micha Elman acompanhado ao piano por Philip Gordon. O disco de primeira geração só com um lado gravado, foi manufacturado no Canadá em 1908 pela Berliner Gram-O-Phone Company - Victor Talking Machine Company. É um caso paradigmático da dificuldade que havia nos primórdios da gravação do registo acústico (mecânico) captar os sons mais delicados como do piano ou do violino.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 17:44

Segunda-feira, 20.05.13

O dia seguinte

É no mínimo inédito o que aconteceu ontem no parlamento português, ao ser aprovado com uma maioria de centro-direita um projecto de lei de cariz experimentalista para a adopção de crianças por casais do mesmo sexo. Um passo na via do retrocesso civilizacional, suspeito que dado contra as expectativas duma larga maioria do povo. 
Esta questão é tanto mais séria quanto advém, não tanto da abstenção de seis deputados (5 do PSD e 1 do CDS), mas dos dezassete (16 do PSD e 1 do CDS) que por falta de liderança, irresponsabilidade ou cobardia faltaram à votação. Numa legislatura em que a política se circunscreve à urgência dum doloroso caderno de encargos imposto pelo estrageiro, não seria de esperar que a coligação correspondesse por uma vez à matriz ideológica do eleitorado que a suporta? Não significa este caso mais um atentado contra a depauperada credibilidade do sistema político vigente, que vem promover a aparência de que afinal, com as eleições só mudam mesmo as moscas? 


__________ //____________


Ao final do dia, convém assentar as idieas, colocar as coisas sobre prespectiva. 

A malta bem pode legislar as aberrações que quiser, engendrar as mais mirabolantes engenharias sociais. Mas a bondade do mundo continua a depender única e exclusivamente das escolhas e atitudes das pessoas. Da sua adesão ao Amor. É nesse plano concreto que a luta entre o bem e o mal afinal se situa: o único plausível. O único verdadeiramente fecundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 11:02

Sábado, 18.05.13

125 anos do disco de Emile Berliner

Perfaz hoje exactamente 125 anos sobre a invenção do disco, um tosco protótipo apresentado pelo inventor alemão naturalizado norte-americano Emile Berliner. Este suporte de gravação sonora, ainda hoje em aperfeiçoamento e preferido pelos mais criteriosos audiófilos, nasceu a 18 de Maio de 1888 para concorrer com o cilindro de cera. Apesar de possuírem mais capacidade de armazenamento (dois lados) e serem mais fáceis de guardar, os discos não se impuseram logo no mercado devido à sua extrema fragilidade. Só a partir de 1910, com a aplicação de goma-laca que facilitava a sua prensagem a partir de uma matriz, as suas vendas ultrapassaram os célebres cilindros de Thomas Edison. Foi já tarde e diante de uma falência iminência que Thomas Edison converteu a sua produção para este formato, que perdurou até ao início dos anos 1950, quando surgiram os Long Playing de 33 rpm (rotações por minuto) e os Singles de 45 rpm, gravados em vinil.

Inicialmente apenas com um dos lados gravados, os primeiros discos, pesados e rígidos, feitos para rodar entre 75 e 78 rpm, tocavam, como os cilindros, gravações de 3 a 4 minutos realizadas por métodos integralmente mecânicos e acústicos, de sensibilidade a frequências extremamente limitada: as muito baixas (sons graves) e as muito altas (sons agudos) não eram registadas. Os metais e a percussão eram, por isso, os instrumentos musicais mais adequados a acompanhar cançonetas, marchas e polcas ou até curtas árias de Ópera devidamente adaptadas. Estas limitações só foram ultrapassadas pela gravação eléctrica com microfones e amplificadores, o que se generalizou a partir do final da década de 1920.

Era só nas casas burguesas mais abastadas ou em bailaricos de paróquia que os discos eram tocados em gramofones mais ou menos sofisticados, cuja potência sonora dependia do formato e tamanho da campânula que projectava o som. Estes aparelhos funcionavam com fabulosos motores de corda, cuja precisão e força chegava a garantir a audição afinada de três discos sem novo impulso de manivela. Outra curiosidade era o consumo frequente de pontiagudas agulhas de metal (as marcas fonográficas aconselhavam a sua troca a cada audição!) e que eram vendidas às centenas em coloridas caixinhas de folha-de-flandres que hoje fazem as delícias dos coleccionadores. Foi também a partir dos anos 1920 que se popularizaram as grafonolas, máquinas portáteis em forma de mala, contendo uma pequena campânula escondida no interior. Estas eram bem menos elegantes e potentes que os gramofones, mas muito mais económicas, o que potenciou a sua popularização e a consequente expansão da indústria fonográfica.

É nos anos 1940 que surge na revista norte-americana Bilboard a primeira lista dos discos mais vendidos. O mundo jamais foi o mesmo. A democratização do consumo da música teve definitivamente origem no disco de Berliner, que trouxe consigo, entre tantas virtualidades, um dos mais marcantes fenómenos do século XX: a música Pop.

Saiba mais aqui

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 17:05

Sexta-feira, 17.05.13

Que Nossa Senhora nos ajude...

 

Esta manhã antes das oito e meia na Antena 1, ouvi um comentário à questão da adopção de crianças por pares do mesmo sexo, por parte de um psiquiatra de que não tomei nota o nome, que de forma serena e clara afirmou qualquer coisa como isto: os problemas inerentes à adopção duma criança por um casal heterossexual psicosoialmente estruturado podem ser ultrapassados se nas várias fazes do crescimento, logo de exigência, as partes consigam com muito amor e inteligência criar a ilusão benigna e “consentida”, de que são uma família natural. Ao contrário, o propósito de aligeirar o impacto da adopção, em si já uma solução artificial para a criança, fica definitivamente comprometido no caso de se tratar de um par de homossexuais masculinos ou femininos. Claro que o ser humano tem uma extraordinária capacidade de sobrevivência, e certamente haverá excepções que confirmam a regra… digo eu.
De resto, confesso-vos que me amargura de sobremaneira que o País que rejubila a aprovação da co-adopção gay seja o mesmo que achincalha em coro a evocação do nome de Nossa Senhora pelo presidente da república. Aquele que arrogante se agiganta, domina os meios de comunicação de massas e a agenda política. Que me faz sentir um estranho numa terra estranha.

 

Leitura complementar sobre o tema aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 21:30

Quarta-feira, 15.05.13

Making of

Dia 18 de Maio celebram-se exactamente 125 anos sobre a invenção do disco, um tosco protótipo apresentado pelo inventor alemão naturalizado americano Emile Berliner. Sobre este assunto estou a preparar um pequeno artigo que o jornal i publicará na próxima sexta-feira. Entretanto deliciem-se com este curto vídeo dos anos 20, sobre o processo de gravação e produção dos primeiros discos de baquelite. 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 10:53

Domingo, 12.05.13

Inverno demográfico sem tabus


Há uma questão urgente para desmistificar, se não nunca se resolverá: o chamado inverno demográfico não tem origem tanto quanto se pretende numa questão económica. Se assim fosse, a curva do aumento demográfico acompanharia a curva do crescimento do produto interno bruto, e os números apontam precisamente o sentido inverso. Se assim fosse teríamos atingido um fabuloso baby boom nas últimas décadas. 
A principal origem do decréscimo de nascimentos é cultural, e como acontece com este tipo de questões, muito mais difícil de contrariar. Uma realidade que importa encarar sem tabus, preconceitos políticos ou moralismos estéreis.


Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:39

Quinta-feira, 09.05.13

18 de Maio - 125 anos do disco de Emile Berliner

"Canna Verde" -  Canção popular portuguesa cantado por Assaltada - Porto. Disco de baquelite anterior a 1920 (ainda a 76 rpm e não 78 rpm como se tornou regra a partir dos anos 20). Para ouvir aqui.

 

Saiba mais aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 13:23

Quinta-feira, 09.05.13

Onde se esconde o Diabo, afinal?

Os cortes nos carros e nos motoristas das empresas, institutos e organismos tutelados pelo ministério da Economia, quase todas deficitárias, constitui de facto uma medida de grande teor simbólico, o que não é despiciendo. Para mais as "gorduras do Estado" são em boa parte constituídas por muitos destes "detalhes" - a maior parte delas escondidas numa presunção de "insignificância"

 

E não concordamos em algo de essencial, João: no valor de determinados símbolos, como o de um gestor de uma empresa pública deficitária ser conduzido como um lord num espada, enquanto o País sofre (literalmente) um brutal ajustamento. Pelo menos a mim, que há três anos com a minha família me venho adaptando a uma brutal austeridade, parece-me uma afronta. Repare-se que não falamos de custos de representação de Estado (que mesmo isso deveria ser devidamente circunscrito), apenas de privilégios. Em segundo lugar, se a economia do País não comporta um Estado tão dispendioso sem o patrocínio dos vizinhos contribuintes europeus, parece-me inevitável que, se não encontrarmos petróleo no Beato, os "grandes agregados" sejam redimensionados. Como acontece com os custos imediatos dos despedimentos dos motoristas, importa que tal permite a prazo tanto empresas como um Estado sustentável, que possa apoiar aqueles que realmente precisam.
Quanto ao escândalo dos contratos Swaps, gostaria que a Imprensa não desistisse de tirar a limpo as responsabilidades de todos os envolvidos (pessoas e instituições). Mas infelizmente tenho muitas dúvidas que isso aconteça… porque é assunto que não vende jornais e não abona politicamente a nenhuma das partes que controla o regime. Onde se esconde afinal o diabo, João?

 

Abraço!

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 12:46

Terça-feira, 07.05.13

Maio de má memória

Nunca me hei-de esquecer daquela fatídica semana de Maio de 2005 em que o Sporting perdeu o campeonato para o Benfica e três dias depois a liga Europa para o CSKA, jogo que deixou o meu enteado literalmente em lágrimas. Desses dias alucinantes ainda sobeja no porta-bagagens do meu carro uma bandeirola verde leonina de fixar no vidro que ainda não foi estreada. Nessa quarta-feira alucinante, os urros esfusiantes dos lampiões no bar por debaixo da minha casa deixaram marca. Nesse ano percebi como nestas coisas “da bola”, de pouco interessa estar-se na luta por um título se não o ganharmos. E como pode ser amarga uma derrota. Não se ponham os benfiquistas a pau, não...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por João Távora às 17:40

Terça-feira, 07.05.13

Proporcionalidade

Perante o estado de excepção em que decorre esta legislatura, pergunto-me como os comentadores regimentais conseguirão manter crescente o seu tom de hecatombe. Há mais de dois anos que se esganiçam, não tarda ficam afónicos (ou sem vocabolário).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 16:59

Terça-feira, 07.05.13

Os reais custos da chefia de Estado

A propósito da investidura do Rei Guilherme Alexandre dos Países Baixos, aqui estão os meus comentários sobre a questão do regime de chefia de Estado no noticiário das 20,00hs do Correio da Manhã TV do passado Sábado, dirigido por João Ferreira e com a participação de Aberto Miranda da revista VIP.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 16:58

Segunda-feira, 06.05.13

Uma simplicidade meridiana

Paulo Portas explicou ontem ao país o porquê da firmeza do CDS no compromisso da estabilidade que garante o cumprimento do "memorando", a única forma de dos libertarmos a breve trecho da Troika e de uma tragédia ainda maior. Com essa premissa de fundo bem clarificada, o presidente do CDS mostrou que, apesar destes excepcionais tempos de tormenta, ainda não desistiu das eleições, assunto que afinal é da natureza dos partidos numa democracia. Resta-lhe demonstrar ao ministro Gaspar como se poderá compensar os cerca de 400 milhões de euros da sobretaxa aos reformados de que ae demarca e rejeita. O mesmo que se deve exigir a Seguro quando nega toda uma trágica realidade: a intransigência dos credores. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 10:46




Sobre o autor

João Lancastre e Távora nasceu em Lisboa, que adora. Exilado no Estoril, alienado com política e com os media, é sportinguista de sofrer, monárquico, católico e conservador. No resto é um vencedor: casado, pai de filhos e enteados, é empresário na área da Comunicação e do Marketing. Participando em diversos projectos de intervenção cívica, é dirigente associativo e colabora em vários blogues e projectos comunicação política e cultural.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Instagram

Instagram

calendário

Maio 2013

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031