Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

João Távora


Terça-feira, 11.04.17

Jogo perigoso

O dia seguinte.jpeg

 

Os programas de debate futebolístico à segunda-feira nos canais de notícias vêm-se tornando numa autêntica aberração imprópria para crianças e gente civilizada - caio lá demasiadas vezes nos meus zappings à procura de notícias depois do jantar e fujo quando a coisa azeda, que nunca demora muito tempo. Na busca de audiências, que o mesmo é dizer, transpondo para a discussão verbal o mais básico fanatismo das claques, a conversa descamba com demasiada frequência para a insinuação e o insulto, que propicia cenas de algum embaraço quando a ténue fronteira do descontrolo emocional ameaça desabar entre os oponentes.
Sou do tempo em que no Sporting se debatiam fórmulas de atrair a família, nomeadamente senhoras e crianças para as bancadas do estádio, mas receio que o percurso feito nos últimos anos pelos clubes, através de políticas de comunicação extremamente agressivas, vem sendo inverso: a seguir a cada jogo, no espaço público que vai entre as televisões e as redes socias, toma lugar uma batalha verbal com pouco compromisso com a verdade e ainda menos com a boa educação. Voltando às televisões, desconfio que os responsáveis dos programas, que se não são os primeiros responsáveis, são cúmplices activos, estão simplesmente esfregando as mãos expectativa duma cena de descontrolo ou até de pugilato que exponencie as audiências, que por um dia catapulte o seu programa para os píncaros da popularidade, como se de um radical reality show se tratasse. Veja-se o caso do “Prolongamento” na TVI de ontem em que José de Pina e Pedro Guerra despudoradamente perderam a compostura (presumo que seja habitual).
Acontece que sou um amante do futebol, que preza a rivalidade acesa dentro das quatro linhas, transposta para as bancadas dentro dos limites mínimos das salutares regras de civilidade. Não compreendo que se critiquem os jogadores ou os espectadores quando se descontrolam e se aceite passivamente que esse jogo perigoso seja extrapolado para a televisão com um discurso que toca as raias do irracional como se fosse legítimo.
Sou do tempo em que as televisões e o jornalismo tinham pretensões pedagógicas e sabiam o seu papel na sociedade. Não me parece que a busca de audiências justifique um espectáculo tão indigno quanto aquele que se vê nos serões das segundas-feiras por essas TVs.

Publicado originalmente aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 13:46

Terça-feira, 16.02.16

Chapéus (já não) há muitos

ask-british-police-bobbies-iStock_000024099679Larg

Há ícones que custam ver desaparecer na voragem do “progresso”. Um deles é o anacrónico chapéu do Bobbie - o tradicional polícia inglês - que ainda podemos ver a uso na prodigiosa série policial britânica "Inspector Morse" por estes dias em reposição na Fox Crime. A não perder.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 10:25

Terça-feira, 01.09.15

Vera

Vera.jpgEstes tempos de férias serviram também para conhecermos “Vera”, uma série policial britânica da ITV estreada em 2011 agora em transmissão na Fox Crime, que para quem procura descansar dos cânones estéticos da TV norte-americana constitui uma lufada de ar fresco. A boa qualidade da fotografia é pedra angular nesta série que nos surpreende e desvenda a paisagem rude e enregelada de casario cinzento, de terras áridas e o mar bravio de Northumberland, condado que faz fronteira com a Escócia no nordeste de Inglaterra. Como o nome indica, a série composta por longos episódios de cerca de 90 minutos, é protagonizada pela dedicada inspectora Vera Stanhope (Brenda Blethyn), uma solitária cinquentona de mau feitio e com uma singular aversão por crianças. Apesar disso a personalidade severa e inquieta de Vera consegue (às vezes) cativar-nos com seu olhar generoso, e tem como contraponto, o assistente Joe Ashworth (David Leon) o seu braço direito que vive dividido entre a absorvente profissão e o apelo da sua jovem família que já conta com três rebentos.
Se ao princípio estranha-se, “Vera” lentamente entranha-se-nos: trata-se de uma complexa e enigmática narrativa que decorre em ambientes tensos, plenos de humanidade e desassossego; histórias que percorrem sem pudor as margens mais sombrias do caracter humano. A cerrada pronúncia das gentes quase torna imperceptível o inglês que nos habituamos a ouvir tão elegante nas produções britânicas. Ela condiz com a paisagem agreste do norte bravio e encadeia-se bem com uma banda sonora criteriosa que acentua os inquietantes silêncios. E depois, há aquela avara beleza que se vislumbra na paisagem e nas personalidades complexas, que adquirem a espaços uma luminosidade tensa e apaixonante. Como a vida real.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 11:24

Domingo, 08.09.13

Pagar para ver

 

A exploração de um canal temático de televisão contém riscos e potencialidades que exigem uma gestão muito profissional, mais a mais no âmbito da indústria do futebol, tema que como sabemos “comove” milhões de adeptos e move milhões de euros.
No que diz respeito a um canal explorado por um clube “a solo” concorrendo no mercado da televisão em regime de “pagar para ver”, por muitos e bons conteúdos que se contratualize em exclusividade, os seus riscos aumentão exponencialmente, porque o sucesso estará sempre restrito ao número dos seus apoiantes com entusiasmo e meios para o subscrever. Nesse sentido, o êxito da empresa será sempre refém do sucesso desportivo do emblema. Ou seja, a somar aos exigentes desafios duma boa gestão operacional e comercial, o projecto arrisca-se a ser comprometido por uma bola no poste, um fora de jogo mal assinalado ou a má forma de um atleta. Se a vertigem da sorte é a alma de qualquer jogo, essa característica pode ser mortífera para um projecto empresarial. Também por isto temo que o Canal Benfica resulte num mau negócio. 

 

Publicado originalmente aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 18:48

Terça-feira, 21.04.09

Que pena, era tão divertido...

Segundo o Paulo Pinto Mascarenhas Fernanda Câncio retirou-se do programa da TVI "A Torto e a Direito" moderado pela Constança Cunha e Sá.


Fico triste pois confesso que dava-me uma certa satisfação aquela exibição de pequenez intelectual e pobreza retórica da jornalista, no desequilibradíssimo confronto com João Pereira Coutinho e Francisco José Viegas...

Para os seus fãs, a senhora continuará a destilar a sua mesquinhez, ressabiamento  e preconceito na blogosfera e num diário de referência nacional. Mas à rédea solta, e se possivel entre camaradas, que é bem mais fácil.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 15:41

Sexta-feira, 27.02.09

TVI 24


Sem muita disponibilidade para tal, foram poucos os minutos que consegui dedicar ao novo canal de notícias da TVI: a primeira impressão não foi positiva ao ser recebido com um interminável bloco de anúncios que por pouco não me expulsou para outro canal. Depois, como a Cristina Ferreira de Almeida, também me pareceu promissora a mesa redonda com Vasco Pulido Valente, Rui Ramos e Vital Moreira. Claro que à parte de Vital Moreira que tem pergaminhos  como tribuno, os outros dois exprimem-se bem melhor a escrever do que a falar.  Resta-nos esperar que a TVI 24 (site muito lento!) traga ao jornalismo doméstico menos preconceito, mais isenção e mais pluralismo. Para bem do mercado e para bem de Portugal!

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 17:26

Terça-feira, 20.03.07

O regicídio, a propaganda e a RTP

Soube hoje que a RTP prepara uma série de seis episódios sobre o rei D. Carlos, de cujo cruel assassinato se assinala em 2008 cem anos. Como é que a televisão vai tratar o monarca e o seu período histórico?
A leitura da História, sabemos todos, dificilmente se desliga das modas e preconceitos conjunturais relativos à época em que ela é escrita. Mais, sabemos bem como são tratados os acontecimentos e os seus protagonistas quando se pretende simplificar a mensagem, tendo em vista os grandes públicos, menos preparados. A História serve quase sempre de propaganda. Basta constatar os preconceitos e o simplismo com que é abordada a Igreja e o papel do clero medieval nos manuais escolares para o ciclo preparatório. Sinais dos tempos, herdeiros da triunfante estética marxista no século passado.
O argumento desta série “O Dia do Regicídio” está a ser escrito por Filipe Homem Fonseca e Mário Botequilha, senhores de quem não conheço obra. Antes, reconheço a dificuldade de transcrever para um guião novelesco uma realidade social e politica tão complexa. Espero o mínimo de rigor e honestidade na abordagem romanesca do trágico e decisivo evento histórico. Espero que se apresentem os factos fundamentais sem desvios ideológicos. Mesmo tendo em conta o dramático desfecho, que compromete essencialmente os percursores do inquestionável regime, da bandeira, sob a qual vivemos. Esperemos que o regime vá perdendo os complexos e a História possa ser mais assumida. Em banda larga, horário nobre e aos olhos de todos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 16:16

Quinta-feira, 08.03.07

Tantos anos de televisão

A televisão fez ontem meio século em Portugal. Lembro-me daquela caixa de madeira escura e polida que depois de largos segundos a aquecer as “válvulas” se acendia numa brilhante paleta de tons cinzentos. Lá em casa, um histérico chamamento (que soava qualquer coisa como “DESANIMADOS!!!”) interrompia quaisquer que fossem as nossas actividades e punha-nos aos cinco irmãos numa correria para um bom lugar em frente ao aparelho. Este momento mágico decorria ao final da tarde quando a generosa RTP nos presenteava com um ou dois “cartoons” do Pica-pau, do Super Rato, ou, com sorte, do Perna Longa. Nesse tempo, quando em família assistíamos a um western na Noite de Cinema, era certa no dia seguinte a brincadeira com os "John Waynes" em correria no recreio da escola. E os festivais da canção, autênticos acontecimentos nacionais? Uns anos mais tarde, lembro-me bem da sensação de ir à mercearia durante a hora da novela, e ouvir ao longo da rua o genérico da Gabriela ecoando unânime e plurifónico, saindo de cada casa, de cada janela, a voz de Gal Costa: Eu nasci assim
Recordo também com alguma saudade as emoções das noites eleitorais, que significavam uma "directa" autorizada e garantida com direito a ceia madrugadora. Fantásticas e tensas noites longas em que se jogava o futuro da nação com os votos e as freguesias em crescendo nos placards magnéticos. E o Eládio Clímaco. E depois, lá para a frente, indignávamo-nos com as reacções unanimemente vitoriosas por parte dos partidos contendores. Ao raiar da manhã, sob a ordem do meu pai, normalmente apreensivo com os resultados, desligávamos a TV já fervente, desvanecendo-se as imagens prateadas num decrescente alvo branco, emitindo um ligeiro e agudo silvo final.
A televisão tinha o seu lugar, que nunca era maior que o nosso: não dava mais de meia hora de desenhos animados por dia; o teatro à segunda-feira, o cinema à quarta, a tourada numa quinta, ao sábado os telediscos… a fórmula 1 e o Fittipaldi ao Domingo. Uma seca, diriam os meus miúdos.
Hoje, na era dos computadores individuais e dos canais temáticos, dificilmente a família se junta toda espontaneamente em frente ao ecrã. Por vezes alugamos um DVD consensual (?!), ligamos o amplificador e fazemos um serão familiar. (Com um pouco de pressão e chantagem ainda lêem uns romances, e certamente ainda sentirão atracção pelos clássicos – espero eu.)
A única televisão cá da casa, um elegante aparelho espetado na parede da sala, perde influência real. Só a mais pequena, com os seus “canais animados”, se lhe mantém fiel. De resto, os computadores com os YouTubes e Chats da vida, remetem os miúdos para os seus recantos isolados, para os seus mundos e fascínios. Desconfio que a televisão que hoje festejamos, além de ser outra, está a acabar. No futuro, será o “audiovisual interactivo”, qualquer coisa parecida com uma mistura de YouTubes, Blogues e Chats que veremos num ecrã individual. Cada vez mais personalizado, particular e… egocêntrico. Veremos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 00:01

Segunda-feira, 05.03.07

Totalmente desalinhado

Ontem à noite fiz mais uma tentativa de desvanecer algum pretenso "desfasamento geracional" e, em família, assisti estoicamente ao programa dos Gato Fedorento na RTP 1. Uma vez mais aquelas prestações dramáticas pareceram-me confrangedoras, e comprovadamente o seu sentido de humor minimal não me seduz - por exemplo, alguém me pode explicar a piada dos Moonspell a cantarem o genérico do Noddy?
Sei que o que estou a afirmar é um autêntico sacrilégio à opinião regulamentar. Mas insisto que, à parte de algumas caricaturas bem conseguidas do Ricardo Araújo Pereira, o espectáculo destes quatro jovens e esforçados yuppies parece-me paupérrimo e genericamente sem graça. O problema deve ser todo meu, é bom de ver, e eu serei certamente um perigoso e irrecuperável desalinhado em vias de ser desterrado.
De resto, prometo que quando tiver tempo vou alugar outra vez Um Peixe Chamado Wanda com John Cleese, Jamie Lee Curtis e Kevin Kline para, orgulhosamente e às gargalhadas, consolidar o meu “desfasamento geracional”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 12:59

Domingo, 04.02.07

pequenos portugueses

Oiço o Dr. Santana Lopes no programa Grandes Portugueses a debitar uma série de vulgaridades e alguns disparates: por exemplo referindo-se à 1ª républica: “Antes do 25 de Abril só tínhamos tido 16 anos de liberdade”. O homem só deve ler as revistas do cabeleireiro, e depois dá nisto!

PS - Nunca o tinha visto, o programa é mesmo mau.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Távora às 23:21




Sobre o autor

João Lancastre e Távora nasceu em Lisboa, que adora. Exilado no Estoril, alienado com política e com os media, é sportinguista de sofrer, monárquico, católico e conservador. No resto é um vencedor: casado, pai de filhos e enteados, é empresário na área da Comunicação e do Marketing. Participando em diversos projectos de intervenção cívica, é dirigente associativo e colabora em vários blogues e projectos comunicação política e cultural.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Instagram

Instagram

calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031