Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

João Távora

Palavras de hoje (3)

 


 

«O amor tem um lugar tão importante e absorvente em Lisboa, na vida da maior parte da gente, que se pode dizer que não lhe resta tempo para mais nada. A mocidade elegante da capital é, em geral, ignorantíssima. Aprendeu pouco; por consequência não sabe quase nada.»


 


 

Maria Rattazzi em 1879  Le Portugal à vol d’oiseau

 

Domingo


Evangelho segundo São Mateus  14, 13-21

 


Naquele tempo, quando Jesus ouviu dizer que João Baptista tinha sido morto, retirou-Se num barco para um local deserto e afastado. Mas logo que as multidões o souberam, deixando as suas cidades, seguiram-n’O por terra. Ao desembarcar, Jesus viu uma grande multidão e, cheio de compaixão, curou os seus doentes. Ao cair da tarde, os discípulos aproximaram-se de Jesus e disseram-Lhe: «Este local é deserto e a hora avançada. Manda embora toda esta gente, para que vá às aldeias comprar alimento». Mas Jesus respondeu-lhes: «Não precisam de se ir embora; dai-lhes vós de comer». Disseram-Lhe eles: «Não temos aqui senão cinco pães e dois peixes». Disse Jesus: «Trazei-mos cá». Ordenou então à multidão que se sentasse na relva. Tomou os cinco pães e os dois peixes, ergueu os olhos ao Céu e recitou a bênção. Depois partiu os pães e deu-os aos discípulos e os discípulos deram-nos à multidão. Todos comeram e ficaram saciados. E, dos pedaços que sobraram, encheram doze cestos. Ora, os que comeram eram cerca de cinco mil homens, sem contar mulheres e crianças.


 


Da Bíblia Sagrada

O desencontro

Quando pensou que tinha descoberto o tecto do mundo e o centro da terra, aquele povo zangou-se com o seu Deus. De repente estranhou-O, pois no seu sábio parecer, Ele deixara de lhe dar espectáculo: nem aparecia nas revistas nem tinha morada no hi5. Tornara-se assim como que desinteressante, discreto e passivo... um Deus pouco interventivo; para mais sem resposta aos seus interesses imediatos e sem os critérios da pequena verdade instituída. Um Deus que não punha ordem no desacerto e na perversão (por sinal cunhos sempre alheios) tornara-se numa grande desilusão, enfim, uma inutilidade. Insurgiram-se contra Ele, porque afinal desejavam-nO à sua imagem e semelhança. E depois, que fazer com um Deus que não obedece aos homens "evoluídos", que não corresponde às suas expectativas ?


Mas isso não era grave, pois afinal, para o equilíbrio da economia, bastavam-lhes os seus modernos pequenos deuses, mais palpáveis e descartáveis, sempre sorrindo nas revistas ou novelas, coleccionáveis como cromos ao gosto de cada um. E como era importante "o gosto de cada um"!

Aquele povo, sôfrego de redenção, acomodou-se a um novo mundo, apequenado pelas auto-estradas e pela fibra óptica, onde até se vivia mais depressa, muito depressa mesmo, sem silêncios ou pontos mortos. Para um ou outro mal, logo se conceberam pílulas milagrosas, que afinal a química ainda irá a resolver a existência.

Iludindo o espaço e as sensações, criaram janelas e mais janelas, interactivas, electrónicas e portáteis. Através delas e dumas teclas podiam espraiar-se por novos caminhos, brilhos e experiências. Mesmo sem espaço, sem relação, sem compromisso e sem silêncio. Fórmula infalível para que a criatura jamais sentisse a vertigem da sua imensidão interior. De modo a nunca arriscar um estranho e diferente encontro.

Pág. 3/3