Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

João Távora

Pensava que a sua coluna de opinião era só às Sextas

 

Hoje a Fernanda Câncio, num artigo de opinião a duas colunas na página 17 do DN, discorre e domestica afincadamente uma selecção de dados “oficiais” sobre o aborto em Portugal , para confrontar um documento da Federação Portuguesa Pela Vida cujo estudo omite, concluindo (em manchete) que “A Maioria Das Mulheres Que Abortam Não é Reincidente”.  
Eu já perdi a esperança ver representadas as minhas extravagantes Causas nos jornais de referência, todos eles cada vez mais um “Canal Benfica” do pensamento único. 

Da invisibilidade

(...) As tiranias contemporâneas privatizam o espaço público, promovem artificialmente elites, condicionam e manipulam a informação e a educação, dão ao dinheiro mais dinheiro e substituem a espontaneidade pelos apaniguados, pelas seitas e pelos grupos informais. (...) Em Portugal, custe a quantos se esmeram na arte do ludíbrio das fórmulas, vivemos desde há muito sob a conjugação do jugo da servidão e da anomia dissolvente. 

 

Miguel Castelo Branco in Combustões

 

 

Ferreira Fernandes na sua crónica de hoje no Diário de Notícias, refere o caso duma foto de 1936 que vem fazendo brado, de um operário de um estaleiro de Hamburgo que, no meio de uma multidão que fazia a saudação nazi, é o único de braços cruzados. Claro que a história não acaba bem e o homem foi devidamente punido pela ousadia.
Hoje, caro Ferreira Fernandes, alcançada a terra prometida das amplas liberdades não corremos o risco de sermos torturados ou mandados para um campo de concentração. Hoje, não bater a pala ao politicamente correcto ou não juntarmos trezentas mil pessoas (!?) no Terreiro do Paço, tem apenas como consequência uma literal invisibilidade. Uma tirania brutal e eficaz, fatalmente desagregadora.
Mas atrevo-me a deixar aqui uma questão pertinente e incómoda: que discernimento teríamos nós, um e outro, de que lado estaria cada um de nós, nas circunstâncias culturais e sociológicas da Alemanha do NSDAP em meados dos anos trinta? O passado é quase sempre fácil de julgar, ou não é?