Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

João Távora

Isto está a ficar perigoso...

Será que estamos a retroceder aos perigosos tempos em que a prudência mandava disfarçar um apelido sonante e era precavida uma pose “vulgar” e um discurso revolucionário? 
Esse igualitarismo ressabiado que apenas serve a oligarquia que capturou o país,  de pouco serve as pessoas. A desconcertante diversidade, a história, a complexidade que se esconde no interior de cada individuo jamais deveria constituir uma ameaça para ninguém. Isto é o que descobrimos para lá dos livros e dos gabinetes, para além das nossas convenientes muralhas e complexos sociais. Os preconceitos só nos impedem de ver mais longe, de sermos mais livres. 

Pergunto-me se, para embirrarmos uns com os outros, já não bastam as convicções políticas mais ou menos profundas com que nos acicatamos uns aos outros. Nesse contexto qual será a importância real dos tiques e vernizes com que costumamos revestir a nossa precária condição? Não somos todos portugueses vivendo uma enorme aflição?

Sacrilégio


Isabel Jonet teve a imprudência de constatar profilacticamente que os portugueses vivem acima das suas possibilidades e na fatal contingência dum processo de empobrecimento (se quiserem chamem-lhe "ajustamento", que dói menos). Este facto tão chocante trata-se de uma inevitabilidade, bem mais radical trágica se não cumprimos os compromissos assumidos. Eu por mim prefiro viver olhos nos olhos com a realidade, uma atitude nem sempre fácil mas que me poupa alguns dissabores.