Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

João Távora

A urgência da cidadania

Estou inteiramente convencido de que não será possível fundar de novo uma aristocracia no mundo, mas penso que que os simples cidadãos, associando-se, podem criar no seu seio seres muito abastados, influentes e fortes, numa palavra, personalidades aristocráticas.

De Democracia na América
Alexis Tocqueville

 

Parece-me um terrível sinal de imaturidade democrática a generalizada aceitação tácita e indiferença às manhas, chapeladas, vezes demais utilizados pelas oligarquias partidárias instaladas na luta pelo poder. Um idóneo jornalista da nossa praça dizia-me impassível em conversa ontem à noite que esses procedimentos são tão habituais quanto inevitáveis, aplicados com mais ou menos maquiavélica sordidez, em todos os partidos políticos. Ora, não é estranho que a exigência de transparência democrática de um regime pare à porta de um congresso partidário, e que um salutar debate se sustenha à entrada de um Conselho Nacional, quantas vezes dominado pela estratégia da “matilha”? E que o mesmo se torne ocasião de protagonismo duns voluntariosos profissionais do tonitruante opróbrio para desacreditar o discurso dum parceiro que ponha levemente em causa a verdade oficial? Por outro lado também me ruboriza o despudor da repetitiva ostentação de mesuras ao grande líder, por tribunos que nunca noutra coisa exibiram obra ou competências. Protagonistas que ofuscam e empalidecem sérias análises e genuínas contribuições anónimas com substância e sabedoria.

Reconheço que a luta pelo “poder”, pela vertiginosa atracção que exerce o mítico objectivo, tão correntemente evoque a mais negra face dos intervenientes. E chego a admitir que já é um ganho que tanta violência se fique (quase) sempre pelas palavras.
No balanço do Conselho Nacional de ontem do CDS lembrei-me de algo que escrevi em tempos sob outro contexto: que para lutarmos pelas nossas convicções não é obrigatório sermos todos Assessores, Deputados, Vereadores, Ministros ou Secretários de Estado. Acontece que, mesmo que os aparelhos partidários não nos queiram lá, é nesse espaço intermédio de cidadania que todos somos poucos e onde fazemos mais falta. De resto, no que a mim me diz respeito, não sendo uma qualidade brilhante, acreditem que sou mesmo persistente. E livre.