Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

João Távora

No meio da ponte (mas em calções de banho)

1594 viewer.png

Quanto ao tema do momento, a polémica proibição do uso do 'burkini' nas praias de França, considerado um atentado aos "bons costumes e o secularismo" (!), também eu me sinto compelido a molhar o pão na sopa.

Em primeiro lugar admiro-me com a quantidade de pessoas com posições categóricas num assunto como este que me parece demasiado complexo e intrincado.

Também eu por princípio sou contra as proibições, cuja eficácia é aliás duvidosa. No que refere por exemplo aos meus filhos adolescentes, saudavelmente atreitos a experimentalismos e provocações, reservo a minha intervenção para uma improvável situação limite, que talvez por isso nunca aconteceu.

Outro equívoco em que os laicistas incorrem é classificar esta indumentária como uma expressão religiosa, quando esta é apenas uma matéria do âmbito cultural e de costumes. Em Portugal, há não muitos anos, na cidade ou na aldeia era comum encontrar senhoras viúvas todas de preto muito tapadas com lenço na cabeça, e isso não era sinal de qualquer devoção especial ou de frequentarem a igreja. Os republicanos de 1910 que perseguiam os padres e fecharam as igrejas eram conhecidos pelo seu puritanismo exacerbado no que refere aos costumes.

De qualquer modo reconheço diferenças acentuadas nos dois registos. Não acredito que as muçulmanas em França escapem com facilidade à atracção exercida pela cultura liberal e igualitária no que respeita à sexualidade e ao género que brota e se expressa por todos os poros duma sociedade cosmopolita. Por isso tenho dificuldade em acreditar que seja por sua livre e espontânea vontade que as senhoras se disponham a envergar semelhante indumentária numa praia no calor do Verão. Acontece que o 'burkini' é um sinal de submissão não é um fato de banho, e o seu uso um despropósito tão grande quanto eu estender-me numa toalha à torreira do sol de fato e gravata aqui na Praia da Azarujinha.

Finalmente, parece-me também que estas proibições, mesmo que de forma errada, constituem sinais de uma inversão nas desastrosas políticas multiculturalistas praticadas nos últimos anos numa França acossada por uma gigantesca comunidade muçulmana maioritariamente hostil aos valores e modo de vida liberal do ocidente.

Por tudo o que atrás referi, se me permitem fico no meio da ponte, quanto a uma tomada de posição inequívoca neste candente assunto. E dou Graças a Deus pela pacata comunidade muçulmana que nos coube em sorte em Portugal.