Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

João Távora

Cheque MAAT

ng7680470.JPG

Os canais de notícias gostam é de entrevistar populares para encher os balões da sua miserável programação low cost, e depois saem destas: na inauguração do museu da EDP um deles aos microfones da SIC Notícias exibia a sua colossal erudição e argúcia de pensamento comparando “as linhas rectas e quadradas do Centro Cultural de Belém e as linhas curvas elegantes do MAAT que são reflexo dos diferentes governantes nas diferentes épocas” (Cavaco e António Costa, para bom entendedor). De nada valeria que alguém lhe dissesse que este novo edifício do Museu da Electricidade não é obra da geringonça nem da república, é sim um empreendimento do capitalismo internacional, nomeadamente Chinês, que pagaremos com língua de palmo mensalmente na nossa factura da electricidade. 

Era mesmo de mais um “espaço de exposições” que Lisboa estava a precisar, não era?

 

Imagem Diário de Notícias

República do nosso descontentamento

republica.jpg

Curioso que na data em que se celebra o aniversário do Tratado de Zamora assinado a 5 de Outubro de 1143 e no qual que se fundou a nossa nacionalidade o regime insista festejar a revolução com que se deu início ao período mais negro da história recente de Portugal, que não foi mais do que o da institucionalização do ódio e ressentimento social. Se é verdade que todas as Nações convivem com esta moléstia feita arma de arremesso politico que mina a convivialidade e a promoção de consensos - que são o motor do progresso e do bem estar; é para mim uma trágica constatação que as elites emergentes do final da monarquia constitucional tenham capitulado perante esse funesto modelo estético alicerçado no ressabiamento e no ódio de classes que nos vem condenando a este triste destino que é o de nos mantermos ingovernáveis na cauda do mundo civilizado a perorar contra inimigos externos e imaginários – à falta de melhor.

Há quanto a mim essencialmente duas formas de uma comunidade se afirmar: ou através duma cultura da promoção do sucesso, tendo-se como virtude o desejo de triunfar e de ser feliz, e uma outra que é o da instigação da inveja e do rancor, modelo que se instituiu entre nós definitivamente através do ideário populista triunfante do PRP de Afonso Costa. Foi essa lógica que prevaleceu no fim da Monarquia Constitucional sequestrada por uma pequena minoria radical, com regicídio em primeiro lugar e com a revolução do 5 de Outubro dois anos depois. Assim se deitou por terra um longo e atribulado período de aprendizagem democrática que foi a segunda metade do século XIX. 

Passados mais de cem anos constatamos com mágoa e angustia que de nada valeu o sangue derramado pelo Rei D. Carlos e pelo seu filho Luís Filipe, de nada valeram as revoluções, os golpes e brutalidades que se lhe seguiram, os despotismos, a repressão, os regimes mais ou menos ortopédicos e suas vítimas silenciadas. Acontece que um País não se resgata através da destruição dos seus símbolos e instituições, muito menos pela instigação ao ódio. Esse legado é execrável, e ainda hoje pesa nas nossas costas e reflecte-se na disputa política. Com as mesmas duvidosas intenções, brincamos com o fogo no tabuleiro do jogo do poder, é o que é.