Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

João Távora

Se o ridículo matasse...

Deplorável serviço à causa nos presta o Sr. Pereira e a sua frívola vaidade e insaciável desejo de protagonismo. O fadista-deputado obteve pelo seu exclusivo mérito uma página inteira de ridicularização gratuita dos monárquicos no Diário de Notícias de hoje. E de facto são estes os piores adversários da instituição. São estes papalvos snobs que gravitam em torno da causa, entregues às mais intestinas manobras para a obtenção de bacocas honrarias. Ao longo dos tempos, têm sido afinal estes retrógrados "cromos" de incomensurável ego os mais eficazes aliados da causa republicana.
O regime republicano nos dias de hoje encontra-se solidamente implantado, isso é um facto. Tal acontece, tanto à conta dos serviços de cem anos de publicidade enganosa, quanto às estéreis questiúnculas inspiradas em vaidades pessoais como é aquela patrocinada pelo ressabiado Sr. Nuno da Câmara Pereira.
E se o fadista tanto anseia por distinções e honrarias, então que mantenha a sua eficaz dedicação ao regime, que certamente não se poupará daqui a dois anos a dedicar-lhe uma Comenda e uma Condecoração, por justo reconhecimento de serviços prestados a favor da consolidação da república.
A última coisa de que a causa monárquica necessita é de oportunistas que a utilizem em prol das suas ambições e vaidades pessoais. De resto, a meritocracia é um valor sagrado das monarquias modernas. E aí não existiriam jamais contemplações para com ridículas fatuidades de medíocres e inúteis wannabes.

10 comentários

Comentar post