Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

João Távora

A Igreja que eu conheço IV


 


O Movimento das Equipas de Casais de Santa Isabel, nasceu em 1989 fundado pelo Cónego Carlos Paes e três casais destinando-se prioritariamente a casais divorciados e recasados pelo civil que pretendem fazer parte activa da Igreja Católica Apostólica.  Este movimento de que a minha mulher e eu fazemos parte, foi inspirado na filosofia e estrutura dos Casais de Nossa Senhora que privilegia o crescimento espiritual do casal enquanto tal, na aceitação das orientações da igreja universal. Sendo a espiritualidade uma vertente humana essencial, a sua assunção e aprendizagem como casal potencia a sua realização mais plena e mais adulta. O Movimento de Casais de Santa Isabel é constituído por várias equipas compostas por três ou quatro casais. Com a assistência espiritual de um sacerdote, as equipas reúnem-se rotativamente num jantar em casa de um casal do seu grupo. Estas reuniões acabam por constituir simultaneamente uma caminhada de amizade e aprendizagem de uma catequese viva, com base na leitura dos evangelhos, na oração comum, sem descurar a partilha das ansiedades, dúvidas e naturalmente os sucessos mais mundanos. Como membros da Igreja, reconhecem a responsabilidade de aprofundar as implicações teológicas e canónicas da sua situação, a fim de contribuir para um melhor enquadramento pastoral dos católicos divorciados e recasados.


Todos os membros das equipas são vivamente convidados a exercerem actividades de voluntariados de cariz social, como forma de partilhar e receber de outras fontes o enriquecimento necessário a uma caminhada de santificação.

Para além das reuniões mensais de equipa, os casais também se encontram ao longo do ano com outras equipas, quer para retiros espirituais, peregrinações ou simples convívios. Finalmente, têm como preocupação comum dar a conhecer a existência deste movimento, sobretudo aos casais que partilhem das circunstancias já referidas. Com muito gosto deixo eu então a informação: no mínimo talvez seja uma janela de esperança para quantos a procuram.

1 comentário

Comentar post