Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

João Távora

Socorro, salvem as gravatas!


Assumido monárquico, católico, conservador e sportinguista, com muita experiência e  larga ascendência de derrotados pela história pelo menos desde o século XVIII, estou há muito habituado ao sentimento de perdedor. Mesmo assim, ainda é com apreensão que leio no Diário de Notícias o ameaçador prognóstico do fim da gravata, esse ancestral e elegante artefacto de moda masculina. É uma questão de "eficiência energética", dizem eles... Naturalmente estou preparado para resistir, e se o seu comércio vier um dia a ser proibido, julgo possuir bastantes para muitos anos de luta.


Sobrevivente nesta sociedade massificada e igualitária, considero a gravata um dos últimos redutos da distinção no trajar masculino formal, um subtil e gracioso indício da personalidade de quem a usa. Durante a semana de trabalho gosto muito de a vestir com um discreto fatinho de bom corte, escolhida a preceito, e que com gosto irei despir ao final do dia num impulso libertador. Do mesmo modo, agrada-me ao fim de semana usar roupa descontraída, umas calças coçadas e umas sapatilhas. Cada coisa no seu lugar, que para mim a roupa é um espelho da alma e das circunstâncias que vivo: por exemplo, detesto às quartas-feiras europeias ir enfarpelado ver a bola, capricho que me obriga a trazer uma muda de roupa para Lisboa.

Aqui nas Amoreiras, onde trabalho, há muito que observo a moda da "camisa aberta" alastrar como uma epidemia, afectando principalmente os mais jovens executivos. Parece-me que essa adesão provém não só da necessidade de se sentirem aceites, mas duma clara inexperiência de vida que não lhes ensinou a técnica de, na loja,  provar uma camisa com um colarinho de medidas adequadas, que não os estrafegue se estiver abotoado. Assim, até acredito que se sintam muito “in”, democráticos e ecológicos, encafuados em fatos de marca, com camisa de gola aberta, mais parecendo empregados de restaurante sem o laçarote, como quando estão a conferir a caixa ou a fazer a mise en place para o turno seguinte.

Finalmente, como declaração de interesses, assevero que não tenho ar condicionado em casa e dispenso-o bem no trabalho. Aguento com naturalidade uma larga amplitude térmica, sem grande afectação de espírito; a minha mulher pode comprová-lo. Possivelmente é  uma característica genética desenvolvida por gerações de Távoras e outros ramos,  habituados a muitos azares e outras contrariedades da história.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.