Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

João Távora

A crise perpétua

Quem tenha um pouco de memória sabe como em Portugal pelo menos há quarenta anos se apregoa uma infindável crise. Desde o choque petrolífero de setenta, passando à espiral inflacionista aos gloriosos dias do PREC, ainda sobrevivemos aos governos do Dr. Mário Soares com a ajuda de Paul Krugman e do FMI, "os ricos que paguem a dita!". Depois veio a crise dos anos noventa, o Cavaco a apanhar os cacos e os fundos estruturais, até despontarmos esfusiantes no oásis pré-expo '98 do Engenheiro Guterres. Depois dele, de novo vacas magras, o ataque às torres gémeas, novo choque petrolífero, o garrote do deficit orçamental, por aí afora até ao malfadado "sub-prime" que hoje nos aperta os calos.


A vida é difícil e a crise de cada dia é sempre pior que a anterior. E quanto se atormentavam os nossos pais e avós com as perspectivas profissionais dos seus filhos e netos! O espantoso é como afinal de contas nós sobrevivemos às malfazejas garras do destino de ser português, no desapiedado mundo contemporâneo. É que afinal à boa maneira portuguesa, a gente sempre se safa... até que a bolha um dia rebente de verdade.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.