Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

João Távora

Exames

De saída para o exame de físico-química, o meu miúdo adolescente acaba de aqui vir para se despedir (estou em casa doente), trajando uma exótica t shirt e um fato-de-banho comprido à surfista.  Espantado (convém na vida não perdermos esta extraordinária capacidade humana), interpelei-o sobre se aquela indumentária  não seria um pouco despropositada para o “acontecimento”, tendo o rapaz replicado que era normal e que dessa forma contrariava melhor o stress. Não que eu pense que ele devesse ir de gravata para o exame, mas sempre me parece que a nossa forma de vestir reflecte, não só o nosso estado d’alma, mas também a importância que damos às ocasiões. 
Perante a tácita anuência da mãe,  e não querendo eu perturbar o rapaz na sua “superstição” a poucos minutos da exigente prova, não insisti mais. Depois, a minha mulher explicou-me que já o tinha confrontado com o facto, e que ficara mais descansada ao tomar conhecimento que os colegas dele faziam o mesmo, alguns calçando chinelas de dedo. Enfim, o rapaz até se esforçou, e... quem sou eu para contrariar "o sistema”!

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.