Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

João Távora

O Discurso do Rei, ou um assomo de luz

 

 

Fiquei rendido ao "Discurso do Rei" de Tom Hooper, e ao contrário do que dizem as más-línguas (porque será?), posso garantir que a obra é muito, mas muito mais, do que a replicação no cinema dum telefilme da BBC. A grandiloquência narrativa, a fotografia simplesmente arrebatadora, e principalmente a extraordinária prestação dos actores, são aspectos que fazem desta película uma autêntica obra-prima. As primorosas representações de Colin Firth no papel de príncipe Alberto, de Geoffrey Rush, o excêntrico terapeuta da fala, Lionel Logue, e de Helena Bonham Cárter como Rainha-mãe, envolvem-nos num comovente drama humano: o tormentoso recontro do gago mas ciente príncipe com o seu inevitável destino, de perante a manifesta leviandade do irmão, vir a reinar o Império Britânico; e, no apogeu da telefonia, através da sua voz, encarnar a esperança e a dor dum povo em face à trágica guerra contra a Alemanha Nazi. Se outra mensagem não possui, esta persuasiva e tocante lição de humanidade, recentra a decisiva importância do trabalho e carácter dos actores no melhor cinema. Aquele que faz História.