Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

João Távora

20.Ago.20

Merecidas férias...

João Távora
Todos os anos por esta altura vai sendo costume os nossos miúdos tirarem umas ansiadas férias longe dos pais; pouco mais de meia-dúzia de dias em que sabemos se divertem à tripa-forra com os primos e retemperam forças em plena natureza (obrigado, mana!) longe das repressivas regras parentais e domésticas. Aqui chegados, nem eles imaginam como nós nos deleitamos nestes cálidos dias de Verão caídos do céu, em que estranhamos a casa demasiado grande e silenciosa, onde descansamos (...)
19.Ago.20

Delírios dum defeso atípico

João Távora
Mesmo na perspectiva de estádios sem público por causa da pandemia do medo, o defeso da bola com as promessas de reforços milagrosos para as equipas é sempre emocionante para os adeptos mais entusiastas. As temperaturas do estio conjugadas com a indolência das férias contribuem para um ambiente de expectativa eufórica que os jogos a doer tratarão de acalmar. A julgar pelas notícias e pelos comentários dos especialistas, o Benfica este ano surgirá com uma equipa para disputar o (...)
16.Ago.20

No dia seguinte

João Távora
Agradecer sempre. Desde logo a Nossa Senhora da Assunção que me emprestou o seu dia para eu vir ao mundo, e que me tem enchido de graças, bons amigos e de uma família que todos os dias me salva.
10.Ago.20

Apanhar os cacos

João Távora
O distanciamento social é um fenómeno contrário à democracia, dizia há tempos Bernard  Henry-Levy numa entrevista do Pedro Mexia publicada no Expresso, e eu atrevo-me a sugerir que o distanciamento social, mais que antidemocrático, é pouco cristão.  E o pior é que suspeito que demorará muito tempo a apanhar os cacos e vão faltar peças para restaurar a normalidade nas relações humanas como as conhecíamos. Numa missa de domingo na Igreja Matriz do Cadaval em que participei (...)
08.Ago.20

A república deles...

João Távora
Da leitura do Expresso pelas crónicas do Ricardo Costa e do Daniel Oliveira, oráculos das modas e da espuma dos nossos tristes dias, a propósito da crise da monarquia em Espanha, fica claro que o seu tenebroso sonho (?) era viverem num regime em que o factor humano fosse definitivamente erradicado da equação. Eles comungam o pensamento infantil de John Lennon no seu “Imagine”: sem pessoas, o mundo seria como o paraíso. O problema é que não haveria ninguém para o registar.
05.Ago.20

Os monárquicos e a crise espanhola

João Távora
O escândalo à volta do Rei de Espanha constitui uma tragédia, desde logo no que diz respeito à sobrevivência do país vizinho tal como o conhecemos. Independentemente de se vir a provar que João Carlos I praticou actos criminosos (o princípio da presunção de inocência também existe em Espanha), as suas falhas, vindas a lume no final do seu reinado, vêm manchá-lo indelevelmente. Essa mancha cobre injustamente o seu papel corajoso, fundamental e insubstituível para a (...)
27.Jul.20

A beleza natural como redenção e outras histórias

João Távora
Nos últimos tempos estive a ler um livro que me foi oferecido por um bom amigo, a História de Vila Nova de Milfontes publicada pela Câmara de Odemira, da autoria do historiador António Martins Quaresma, uma coisa séria com muita investigação e profusamente ilustrada. A história de Milfontes é uma longa história de pobreza extrema e resistência duma vila fundada com homiziados (uma espécie de degredados), desde a carta de foral de Dom João II até ao Século XX, quando a (...)
24.Jul.20

Grosseria, a outra epidemia

Reflexões sobre a anormalidade do novo normal

João Távora
Existem danos colaterais da pandemia que, na hierarquia das prioridades vistas da enfermaria, acabam menosprezados e não deviam. Nem me vou centrar no problema causado pelo distanciamento social que, para muita gente que com esforço fomentava a sua rede de relações, a dinâmica será difícil de inverter. Constato com alguma tristeza como, apesar do desconfinamento, muitos ainda resistem a uma presença física numa reunião, mesmo que dentro das regras sanitárias, na possibilidade (...)
23.Jul.20

Homenagem a Amália

João Távora
"Uma Casa Portuguesa" - A Fonseca - R Ferreira - M. Sequeira Angel Recrds USA - Extended Play 45 rpm 1955, da minha coleccção.