Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

João Távora

05.Abr.19

Triste sina

João Távora
O que nos deveria fazer pensar é como é que eles (os progressistas) fizeram uma guerra civil que arruinou o país (com a destruição das estruturas do Antigo Regime) para nos imporem uma constituição à francesa; depois assassinaram cobardemente o nosso rei e o príncipe herdeiro para nos impingirem uma tirânica república... para andarmos cem anos depois a discutir a endogamia e o nepotismo nos cargos públicos. Às vezes sinto que ser português é um castigo.
03.Abr.19

Temos aquilo que merecemos

João Távora
Há quem estranhe os casos de endogamia e nepotismo denunciados no governo e gabinetes por aí abaixo. Este fenómeno, mais do que demonstrar-nos que a elite socialista tem recursos limitados e é pouco permeável (sinal dos tempos de austeridade), revela-nos que perdeu o pudor. A vida é dura, o Estado é um apetecível salão de banquetes, mas também serve uma sandocha se for suplicada nos canais certos: em tempos soube de uma feroz disputa partidária por um lugar subalterno (de (...)
18.Mar.19

Manifestação de Fé

João Távora
Emocionado, ontem participei na Procissão do Senhor dos Passos da Graça, uma das mais antigas e genuínas manifestação da tradição católica da cidade de Lisboa, que, presidida pelo Cardeal Patriarca, todos os anos na Quaresma evoca o caminho de Jesus Cristo para o calvário. Éramos bastantes a atravessar as ruas da velha Lisboa, da Igreja de São Roque à Igreja da Graça, e nesse percurso muito rezei pelas minhas aflições. O caminho foi feito debaixo do olhar atento das gentes (...)
15.Mar.19

Da barbárie

João Távora
Ver os testemunhos dos muçulmanos acossados após o hediondo ataque de hoje a duas mesquitas em Christchurch, Nova Zelândia (curioso o nome da cidade) quando estavam a rezar, é como um murro na barriga, e deveria servir de alerta para o perigo das respostas maniqueístas para questões complexas como as do diálogo inter-religioso e dos refugiados. Gente fanática é gente fanática.
14.Mar.19

Uma reflexão sobre a violência doméstica

João Távora
O fenómeno a que hoje chamamos violência doméstica será tão antigo quanto a humanidade e trata-se sem sombra de dúvida uma das expressões mais reles da barbárie a que o Homem se consegue rebaixar - a sua plena erradicação só será possível com a extinção do ser humano. A questão está em saber se o número de casos está realmente a aumentar ou se é a percepção que temos desta tipologia de crimes que se vem ampliando, com a crescente vigilância mediática sobre eles. In (...)
11.Mar.19

O cinismo venceu?

João Távora
Vivemos numa cultura que sublima a vitimização na mesma proporção em que desmerece o sentido da responsabilidade (e a misericórdia, de caminho). O facto é que criámos uma sociedade fragmentada, que gera pessoas desestruturadas, para a qual não há ordenamento jurídico que lhe valha. O caso de