Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

João Távora

Jogo viciado

Chicão.jpg

Ontem à noite num inadvertido e preguiçoso zapping pelos canais de notícias, senti-me agredido ao constatar que no Expresso da Meia-noite da SIC Notícias, a propósito das eleições de 30 de Janeiro, o convidado a representar o CDS era Telmo Correia - um dos mais enfadonhos parlamentares das últimas décadas e opositor figadal à direcção de Francisco Rodrigues dos Santos. À mesma hora na CNN (cof, cof) num debate sob o mesmo tema, o interlocutor democrata-cristão era Cecília Meireles que esconde mal o seu desejo por uma rotunda derrota do seu partido. (Já repararam que neste moderníssimo canal, à falta de uma formulação eficaz em português para “Notícia de Última Hora” anuncia-se em rodapé “Breaking News”– certamente para atrair as audiências estrangeiras?).

Evidentemente que as televisões convidam quem querem para os debates, mas depois não se venham queixar que a nossa democracia não convida à renovação de protagonistas, que se arrastam como que bacilos induzidos para a degradação do pântano que promove os extremos e consequentes parangonas indignadas e excitação das audiências em debandada.

Digo isto porque me parece medianamente óbvio que, se não for para prestar vassalagem à “aristocracia” regimental, a incluirem-se representantes do CDS nos debates televisivos dever-se-iam convidar elementos da direcção nacional do partido que irá a votos nas próximas legislativas. Isso sim é serviço público, caso contrário fica-se com a estranha (?) sensação de que as redacções obedecem a agendas políticas de interesses duvidosos. Como perpetuar a degradação da frágil democracia e o poder socialista.