Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

João Távora

O dilema

Com o País à beira da falência o governo José Sócrates foi obrigado a assinar um pesado caderno de encargos para que uma tragédia fosse travada.

Em clima de emergência, os danos do violento ajustamento e cortes no Estado esvaziaram muitos bolsos, aqueceram emoções e conduziram a um clima de pré-guerra civil.  
Sabemos como há poucos temas que provoquem mais alarme social que os relacionados com a saúde. E que o sofrimento alheio é um espectáculo tão sedutor quanto intolerável se não for controlado e causado artificialmente para um ‘reality show’. Depois, numa civilização de génese cristã uma pessoa é uma pessoa, uma vida é uma vida, única e irrepetível, e como tal um incontornável problema moral para quem tem responsabilidades na gestão da coisa pública.
Dificilmente um sector sensível como o da Saúde podia ter passado incólume à crise da dívida. Mas quero crer que as disfunções detectadas estão sentenciadas a ser rapidamente sanadas. É nossa condição civilizacional.

 

Publicado originalmente no Diário Económico

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.