Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

João Távora

Regras impossíveis de fazer cumprir

crianças isoladas.jpg

Quis o destino eu ter nascido com um forte astigmatismo e um estrabismo associado, coisa que resultou numa visão muito deficiente pelo olho direito. Quando eu estava na primária, foi me proposto uma terapêutica oftalmológica muito avançada para a época em que, para lá das 3 consultas semanais em que me era ministrado um tratamento num cubículo escuro com uma máquina onde eu tinha de permanecer a olhar durante um tempo que me parecia uma eternidade, obrigavam-me a andar com uma pala a tapar-me o olho esquerdo, que via bem, para supostamente obrigar o direito a esforçar-se, e desse modo mitigar o estrabismo e recuperar alguma visão. Muito recomendado de casa e pelo médico, o sacrifício foi-me impingido com a promessa de que a cura dependia de mim, da minha força de vontade, de fazer tudo como me diziam, de não tirar a pala a não ser para ir para a cama. Foram tempos muito difíceis: eu que era um miúdo sociável, tive de enfrentar a crueldade infantil de alguns dos meus colegas que troçavam do meu novo aspecto. Mas curiosamente, o que mais me custava era o tratamento me deixar quase cego. Todos sabemos que não se devem criar regras impossíveis de fazer cumprir: como não via um boi com o raio da pala a tapar-me a vista boa, em pouco tempo arranjei um estratagema para dar a volta ao assunto - com um dedo, abria uma folga na pala junto ao nariz, de onde eu à socapa espreitava para ver o mundo fascinante que doutro modo se me escondia. Escusado será dizer que ao fim de um ano o médico e os meus pais desistiram dos seus intentos e eu voltei a ser uma criança feliz.

Vem esta história a propósito dumas imagens que vi inadvertidamente um dia destes num noticiário, sobre a abertura do ano escolar num estabelecimento de ensino na Madeira, com os miúdos no recreio todos disciplinadamente de máscara na cara a fazer pose para as câmaras de TV e para o presidente da Região Autónoma, que se congratulava com o facto de na sua Ilha todos cumprirem as normas que justificavam o baixo número de infecções. Como é óbvio, manter crianças de idade escolar a usar uma máscara todo o dia é um desígnio condenado ao fracasso (uma delas estava a queixar-se da acumulação de suor no interior da máscara). Acontece que as crianças são imprevisíveis e não são domesticáveis assim. Não é possível elas conviverem, correrem, brincarem e… relacionarem-se com o nariz e a boca tapados. Querem-nos fazer acreditar que o meu filho de 13 anos está o dia todo na escola de máscara? Claro que não. Descansem todos os pais, que os vossos filhos vão arranjar maneira de contornar a situação, e conspurcarem-se saudavelmente uns aos outros em nuvens de aerossóis, está na sua natureza. De resto, consola-me saber que os bárbaros dos suecos deixam as suas crianças em paz na escola sem máscaras, que reabriu há um mês sem que as infecções se tenham descontrolado. Os números estão todos aqui.

 

Imagem: sala de aula com distanciamento numa escola no Irão.