Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

João Távora

Tio Milha

Ontem nas cerimónias fúnebres de um parente meu muito querido, um transeunte anónimo comentava que o finado devia ser alguém muito famoso. Acontece que eram largas as centenas e centenas de amigos e familiares que se apertavam na Basílica da Estrela para uma última homenagem. Para quem trabalha em comunicação como eu, actividade que visa a potenciação de notoriedade e reputação de pessoas ou marcas, este fenómeno a que chamo de “notoriedade orgânica” não deixa de dar que pensar. Acontece que há pessoas que ao longo da sua vida têm o dom construir um largo rasto de sólidas relações sociais, porque feitas de amor verdadeiro. Escuso-me explicar como o amor verdadeiro nada tem a ver com romance, mas antes com dádiva de si aos outros. Porque a vida realiza-se mais plena na medida em que fazemos bem àqueles com quem nos cruzamos. Não me constando que tenha merecido manchetes ou sido notícia de jornais, estou em crer que “a fama” alcançada por este meu parente é aquela que realmente conta na construção de um mundo mais habitável. O seu legado, construido ao longo duma extensa vida, uma história de trabalho, coerência e bondade, está bem espelhada numa das mais bonitas e fecundas famílias que é a sua, uma casa em que eu tive a Graça de ter sido sempre tão bem acolhido.

Em memória de D. Miguel de Almeida 1923 - 2016. Deus o tenha em sua infinita Graça.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.